03:19 19 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Sistemas de mísseis antiaéreos Tor-M2DT na Praça Vermelha durante Parada da Vitória 2017

    Como serão as forças armadas da Rússia em 2035

    © Sputnik / Aleksandr Vilf
    Defesa
    URL curta
    10303

    Na semana passada, no Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais americano foi realizada uma discussão sobre que tipo de armas está a Rússia criando e comprando e como serão suas forças armadas em 2035.

    Os analistas ocidentais notaram que o aspecto futuro das forças armadas da Rússia vai depender muito do sucesso e da rapidez da transição da Rússia dos anteriores modelos soviéticos para novos, mas já é claro que a Rússia está modernizando seu exército ativamente e com sucesso e não confia apenas na dissuasão nuclear.

    Atualmente, segundo os analistas ocidentais, a Rússia continua colhendo frutos dos desenvolvimentos soviéticos. Mesmo os mísseis Kalibr ou Iskander, que são sempre mencionados na imprensa ocidental, são ainda criaturas da URSS.

    Mas até 2035 a Rússia já deverá estar equipada com desenvolvimentos modernos de nova geração. Trata-se, em primeiro lugar, do sistema antiaéreo S-500, do míssil hipersônico Zircon (Zircônio), do complexo perspectivo de aviação de longo alcance e do novo motor para caças de quinta geração T-50.

    O diretor-geral do consórcio das forças da defesa aeroespacial da Rússia Almaz-Antey, Yan Novikov, informava anteriormente que no tempo mais próximo o consórcio deve acabar as provas estatais de três mísseis autoguiados antiaéreos com ogivas ativas para equipar os sistemas S-350 Vityaz e sistemas antiaéreos navais e já estão sendo realizados testes do antimíssil guiado para o sistema S-500.

    Em abril deste ano, se tornou conhecido que o míssil hipersônico Tsirkon, durante os testes, alcançou uma velocidade que ultrapassa oito vezes a velocidade do som. Com estes mísseis serão provavelmente equipados os submarinos mais modernos da classe Husky e o cruzador nuclear pesado Pyotr Velikiy.

    Uma jovem passa ao lado do sistema de defesa antiaérea S-400
    © AFP 2018 / KIRILL KUDRYAVTSEV
    O vice-premiê da Rússia Dmitry Rogozin declarou no dia 20 de maio que a Rússia já começou a desenvolver o complexo perspectivo de aviação de longo alcance e os primeiros voos estão planejados para os anos 2025-2026.

    Falando sobre o motor, no outono do ano passado, o diretor-geral da Corporação da Construção de Motores (ODK em russo) Aleksandr Artyukhov assegurou: "Os testes do motor para o complexo de aviação tática começarão no quarto trimestre do ano de 2017.

    Com o novo motor, o complexo de aviação pode se tornar uma força séria e moderna. "O relatório analítico que consultei demonstra um sistema bem sofisticado, o que permitirá ao caça russo pelo menos igualar ou, segundo a opinião de alguns especialistas, ultrapassar os caças americanos de quinta geração", comunicou ao portal National Interest o ex-chefe do serviço de reconhecimento da força aérea dos EUA tenente-general David Deptula.

    Não apenas a dissuasão nuclear

    Em geral, a Rússia, de acordo com a opinião de especialistas ocidentais, está se afastando da ideia da aplicação de força massiva, e até 2035 está planejando confiar em ataques da alta precisão de longo alcance, mas mantendo a capacidade de bombardeamentos de área. O exemplo da Síria mostrou que as armas de alta precisão ainda não são o cavalo de batalha da Rússia, mas os russos estão aprendendo e introduzem este tipo de arma na sua doutrina.

    Atualmente a Rússia possui forças armadas convencionais condignas e agora o país já não está dependente das armas nucleares como único fator de contenção.

    Mais:

    Rússia testa quase todos os tipos de suas armas na Síria
    Pyongyang planeja acelerar desenvolvimento de suas forças nucleares
    Consegue distinguir o material bélico soviético do alemão? Faça nosso teste!
    Tags:
    intimidação, míssil balístico, armas nucleares, inovação, Kalibr, Iskander, Almaz-Antey, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik