04:51 22 Maio 2018
Ouvir Rádio
    Tunguska.

    Por que o sistema militar russo Tunguska não tem análogos?

    © Sputnik / Evgeny Biyatov
    Defesa
    URL curta
    13351

    O sistema antiaéreo Tunguska está atualmente em serviço nas Forças Armadas da Rússia, possuindo características sem análogos.

    Seus canhões duplos de calibre 30 mm podem disparar à velocidade de 85 tiros por segundo ou 5 mil por minuto.

    A arma antiaérea autopropulsionada Tunguska M-1, armada com um sistema de artilharia e mísseis da classe superfície-ar, é projetada para proteção contra forças de infantaria, tanques, aeronaves voando a baixas altitudes, helicópteros e mísseis de cruzeiro.

    Além disso, ele pode efetuar todas essas tarefas em movimento!

    Os canhões duplos 2A38 de calibre 30 mm do Tunguska possuem uma velocidade inicial de 960 metros por segundo. O Tunguska pode disparar de seus canhões em dois modos de operação – radar e ótico. A altitude de alcance dos canhões é de 2 km e dos mísseis é de 3,5 km. O radar de bordo pode detectar alvos na distância de 25 km.

    Apesar de, primeiramente, o sistema ter sido designado como o antiaéreo, agora Tunguska também pode destruir com êxito alvos terrestres.

    No Tunguska podem ser instalados mísseis guiados modernizados 9M311-M1 que têm um alcance até 10 km e a velocidade de 900 m por segundo.

    O míssil 9M311 também pode derrubar alvos aéreos voando a baixa altitude. Especialistas militares dizem que se os sistemas Tunguska estivessem na base aérea síria atacada com mísseis de cruzeiro dos EUA, a base não teria sido destruída.

    Mesmo existindo há várias décadas, o Tunguska permanece um elemento muito importante da defesa aérea russa.

    Mais:

    Que arma russa representa maior perigo para os porta-aviões americanos?
    Confira o Su-24, a principal arma aérea russa na Síria, em plena ação (VÍDEO)
    Arma secreta da Comissão Europeia visa combater 'propaganda russa'
    Tags:
    defesa antiaérea, canhões, armas russas, arma, Tunguska, EUA, Síria, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik