06:17 19 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    MiG-35, o caça russo de geração 4++, uma versão aperfeiçoada dos aviões de assalto MiG-29M/M2, durante a apresentação internacional na cidade de Lukhovitsy, em 27 de janeiro de 2017

    Armamento e caças russos estão em alta na América Latina

    © Sputnik.
    Defesa
    URL curta
    61568192

    Mais de 9% das exportações de armas russas correspondem aos países da América Latina, anunciou o diretor comercial da empresa estatal russa Rosoboronexport, Aleksandr Denisov.

    "América Latina é responsável por mais de 9% do total das exportações de armamento russo", declarou Denisov, quem vai chefiar a delegação da Rosoboronexport na Feira Aeroespacial México 2017 (FAMEX 2017).

    Uma parte considerável das exportações russas da indústria militar corresponde a aviões e helicópteros, que são precisamente a especialidade da feira aeroespacial FAMEX, comunica Denisov.

    Nesse fórum, que terá o início em 26 de abril, Rosoboronexport apresentará mais de 160 amostras de armamento e material bélico.

    Analistas militares acreditam que as técnicas militares russas mais procuradas no mercado latino-americano são o avião de combate Yak-130, o caça multifuncional Su-30MK e o caça tático MiG-29M.

    Denisov também disse que as armas antiaéreas russas como o sistema de artilharia antiaéreo Pantsir-S1 também vai atrair a atenção de compradores estrangeiros.

    A Feira Aeroespacial México 2017 será realizada na base aérea de Santa Lucía, no México, entre 26 e 29 de abril.

    O fórum em questão é especializado na indústria aeronáutica, aviação militar e civil, bem como em tecnologias de defesa e espaciais.

    Mais:

    Turbulência no Cáucaso: Armênia quer comprar armas russas para combater Azerbaijão
    Putin: luta contra o terror no Oriente Médio provou eficiência das armas russas
    Conheça as 10 armas russas que podem mudar o equilíbrio de forças no mundo
    Tags:
    armas russas, Yak-130, Su-30, MiG-29, FAMEX 2017, Rosoboronexport, México, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik