02:12 18 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    Launch of a Trident II

    Grã-Bretanha anuncia estar pronta a efetuar ataque nuclear preventivo

    © AP Photo/ Phil Sandlin
    Defesa
    URL curta
    67113251138

    A Grã-Bretanha está pronta a levar a cabo um ataque nuclear preventivo se isso for necessário, declarou o ministro da Defesa da Grã-Bretanha, Michael Fallon, em entrevista ao ВВС Four, citado pelo jornal Independent.

    De acordo com as palavras de Fallon, a premiê Theresa May está pronta a usar mísseis balísticos Trident em "condições extremas", mesmo que a Grã-Bretanha não seja atacada. 

    A declaração do ministro foi uma resposta ao apelo do líder do Partido Trabalhista britânico, Jeremy Corbyn de "alcançar um mundo sem armas nucleares", nota o jornal.  

    Os mísseis balísticos Trident, de três estágios, combustível sólido e construídos nos EUA, podem carregar ogivas nucleares e são destinados a ser instalados em submarinos. O alcance máximo do míssil atinge 11.300 quilômetros.

    No final de março, na ONU, começaram as negociações relativas à elaboração de uma convenção sobre a proibição total das armas nucleares. Os países que possuem armas nucleares recusaram participar. Em particular, o representante britânico na ONU, Matthew Rycroft, declarou:

    "O Reino Unido não participará das negociações a respeito da proibição das armas nucleares, porque não acreditamos que estas negociações nos levem ao progresso do desarmamento nuclear global. Isso não pode e não vai funcionar".

    Ao mesmo tempo Rycroft notou que, em comparação com os anos da Guerra Fria, o arsenal nuclear da Grã-Bretanha é hoje menos de metade.

    Mais:

    EUA posicionaram, pela primeira vez, uma esquadra de caças F-35 na Grã-Bretanha
    Analista militar: Grã-Bretanha não tem capacidade para conter 'arsenal terrífico' russo
    Tags:
    ataque nuclear, Partido Trabalhista britânico, ONU, Matthew Rycroft, Theresa May, Jeremy Corbyn, Michael Fallon, Grã-Bretanha
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik