03:20 23 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    Ministra da Fedesa do Japão Tomomi Inada ao lado do atual primeiro-ministro Shinzo Abe

    Autoridades do Japão tencionam recrutar mais mulheres para o exército

    © AFP 2017/ KAZUHIRO NOGI / AFP
    Defesa
    URL curta
    437410

    O ministro da Defesa do Japão, Tomomi Inada, anunciou o levantamento das restrições à convocação de mulheres para as subdivisões da inteligência e tropas blindadas, bem como a intenção de aumentar a incorporação de mulheres em geral nas forças de autodefesa.

    "Queremos fazer com que as forças da autodefesa sejam atrativas e adequadas ao tempo e à situação atual. O levantamento de todas as restrições ao recrutamento de mulheres para as forças da autodefesa vai estimular a atividade das mulheres [no exército]", cita as palavras do ministro a agência Kyodo.

    Assim, continua a haver restrições à entrada de mulheres apenas nas subdivisões de defesa radiológica e nos submarinos, onde não tem bastante espaço para fornecer às mulheres camarotes separados.

    A oportunidade de as mulheres passarem a servir nas forças da autodefesa surgiu no ano 1993, depois em 2008 foi levantada a restrição de servir na Marinha, em 2015 – como pilotos de caças, em 2016 – como pilotos de helicópteros de combate. Segundo os dados do Ministério da Defesa, um total de 14 mil mulheres presta serviço nas forças da autodefesa japonesas, o que corresponde a 6,1% do pessoal.  No final de março de 1955, quando as forças de autodefesa foram formadas, nelas só serviam 144 mulheres – 0,1% do pessoal.

     

    Mais:

    Japão pode acionar tropas em caso de queda de míssil norte-coreano em águas japonesas
    'Mein Kampf' volta ao programa escolar no Japão
    Tags:
    militares, mulheres, convocação, Forças de Autodefesa do Japão, Tomomi Inada, Japão
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik