00:31 24 Abril 2017
Ouvir Rádio
    Fuzileiros portugueses tomam parte dos exercícios da OTAN Trident Structure 2015, em 100 km de Lisboa

    Embaixador português na Rússia explica como Portugal pode ligar Brasil e OTAN

    © AFP 2017/ FRANCISCO LEONG
    Defesa
    URL curta
    1204705528

    Hoje (14), na sede da agência russa Rossiya Segodnya, foi aberto o 6º Modelo Internacional da ONU do qual participou, dando uma palestra sobre o balanço da diplomacia portuguesa, o embaixador de Portugal na Rússia, Mário Godinho de Matos. A Sputnik Brasil conversou com o diplomata sobre os temas mais recentes ligados ao mundo lusófono.

    Sputnik: Há dois dias, houve uma reunião entre os ministros da Defesa português e brasileiro, durante a qual o titular da pasta brasileiro disse que Portugal era, vamos dizer, uma plataforma para se aproximar à OTAN. Então, como o senhor avalia as perspectivas da cooperação na área de defesa e segurança?

    Mário Godinho de Matos: Exatamente, nós notamos essas afirmações que foram feitas há poucos dias. Como sabe, entre Portugal e o Brasil há um largo espectro de relações a todos os níveis: econômicos, culturais, políticas também… A área de defesa é uma área em que também se pode fazer progressos e avanços.

    Portugal, como sabe, é um país-fundador da NATO [OTAN], ou seja, somos membros desta organização desde o início da sua constituição. E dados os laços tão fortes que temos com o Brasil, obviamente que estaremos sempre num algo de ligação entre aquilo que o Brasil quer fazer em termos da defesa e aquilo que nós, inseridos na Europa, numa estrutura da defesa europeia e transatlântica, também podemos propor.

    S: Há pouco, o primeiro-ministro português António Costa foi à República Centro-Africana onde ficam 160 militares portugueses que tomam parte de uma missão das Nações Unidas. Como o senhor embaixador poderia comentar e explicar e importância desta missão para o seu país?

    MGM: As missões das Forças Armadas portuguesas no estrangeiro e nesse tipo de missões de paz como essa que referiu, na África, e outras também — temos colaborado nos Bálcãs, no Médio Oriente — são um vetor muito importante da nossa política externa, porque, justamente como membros da NATO [OTAN] e da União Europeia, fizemos um esforço muito grande, também do ponto de vista orçamental, para estar presente no maior número de frentes possíveis de luta contra o terrorismo, contra, enfim, as situações como essa que referiu [guerra civil na República Centro-Africana] em que se deve garantir o respeito pelos direitos humanos e, portanto, essa é uma frente que temos.

    Temos dado muita atenção [a estes assuntos] e participamos em várias áreas no mundo com esse tipo de participação das nossas Forças Armadas.

    S: António Guterres assumiu funções há pouco, e já houve uma situação em que o secretário-geral [da ONU António Guterres] propôs a candidatura de Salam Fayyad, palestino, para o posto do enviado especial na Líbia. Esta candidatura foi rejeitada, rechaçada primeiramente pelos EUA. Como o senhor embaixador pode comentar a situação, quais são os obstáculos neste caminho, digamos, e como pode avaliar o empenho que António Guterres já fez na ONU?

    MGM: Bem, como pode imaginar, para mim é muito difícil estando aqui, em Moscovo [Moscou], comentar uma iniciativa do secretário-geral das Nações Unidas. Enfim, sendo [ele] cidadão português e hoje [em dia ele é também] secretário-geral das Nações Unidas quem tenta interpretar, no âmbito das Nações Unidas, quais são as forças que estão presentes.

    Portanto, não conheço os detalhes dessa nomeação, nem como é que ela se desenvolveu, apenas posso comentar que, como comentou aqui o vice-ministro [das Relações Exteriores russo] Gatilov, as Nações Unidas são uma realidade muito complexa, onde se cruzam muitos interesses nacionais de diversos países e isso é visível em todos os níveis — no Conselho de Segurança, na Assembleia Geral. E é dentro dessa complexidade "onusiana", como se costuma dizer, que todos esses processos se desenvolvem, mas eu sinceramente não conheço os detalhes para comentar.

    S: Também há poucos dias, os ministros da Defesa italiana, português, espanhola e francês escreveram uma carta conjunta ao secretário-geral da OTAN, dizendo que queriam um reforço, vamos dizer, do flanco Sul da OTAN. Então, será que isto pode ser ligado, por exemplo, às preocupações dos países europeus com a nova administração norte-americana, com Trump que várias vezes questionou a eficácia da OTAN? Qual pode ser o motivo de tais ações?

    MGM: Não, eu penso que essa é uma questão antiga. Eu próprio trabalhei na delegação portuguesa na NATO [OTAN] durante vários anos. E já nessa altura tínhamos uma relação com o flanco Sul da NATO [OTAN], ou seja, com os países do Magreb [região africana que está limitada pelo Mar Mediterrâneo a norte e fica em proximidade dos respectivos países europeus]. Chamava-se então essa iniciativa [de] Diálogo Mediterrâneo.

    Agora tem outros nomes, mas a ideia é a mesma: é reforçar o flanco Sul da NATO [OTAN]. Então, há um flanco Leste, como sabe, e um flanco Sul. Evidentemente que estes países que referiu, entre os quais o meu, Portugal, Espanha, Itália, França e talvez Grécia também, temos uma preocupação muito específica com o terrorismo e com instabilidade, melhor dizendo, que hoje em dia existe em vários países na outra costa do Mediterrâneo. Está muito perto de nós. É um assunto que nos diz diretamente respeito. E essa manifestação dos ministros da Defesa foi justamente para, junto do secretário-geral da NATO [OTAN], frisar que esse era também um aspecto muito importante.

    Mais:

    Guterres faz juramento na ONU e promete mudanças na organização
    Quantas tropas da OTAN estão instaladas perto das fronteiras russas?
    Portugal apresenta queixa para impedir ameaça nuclear
    Tags:
    defesa, segurança euro-atlântica, cooperação, OTAN, ONU, António Guterres, António Costa, Magreb, Portugal, Europa, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik