19:30 22 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Veículos militares lavando mísseis balísticos chineses DF-26

    Inovação militar: China testa míssil com 10 ogivas nucleares

    © AFP 2019 / Andy Wong
    Defesa
    URL curta
    21393
    Nos siga no

    A China realizou testes do seu novo míssil DF-5C de longo alcance equipado com 10 ogivas.

    O lançamento do DF-5C com uma ogiva que consiste em 10 blocos e guiamento individual foi efetuado neste mês de janeiro sob supervisão de militares dos EUA, revela The Washington Free Beacon ao citar fontes norte-americanas.

    O míssil foi lançado a partir do cosmódromo de Taiyuan, situado na região central da China, contra um míssil que estava localizado em região desértica na parte oeste do país.

    Os testes realizados são um sinal de que a China está reforçando de maneira ativa o seu arsenal de ogivas (anteriormente, chegava às 250 unidades).

    Destaca-se que, caso os chineses aumentem o número de ogivas, os EUA poderão recorrer ao uso de suas ogivas nucleares complementares. A medida de Pequim significa uma grande alteração das políticas nucleares estratégicas chinesas.

    Vale lembrar que o último relatório anual do Pentágono destacou a modernização das forças nucleares e desenvolvimento de sistemas de mísseis móveis da China. Conforme o documento, a China dispõe de 75 a 100 mísseis balísticos intercontinentais, incluindo DF-5, mísseis com várias ogivas DF-5B, mísseis de combustível sólido instalados em sistemas de lançamento móveis DF-31 e mísseis de curto alcance DF-4.

    Segundo The Washington Free Beacon, os testes de mísseis com dez ogivas estão relacionados às crescentes tensões entre EUA e China.

    Mais:

    Analista: Míssil DF-41 chinês é um sinal político importante que China envia aos EUA
    China testa com sucesso míssil hipersônico que supera todos os similares dos EUA e da OTAN
    Tags:
    cosmódromo, alcance, míssil balístico intercontinental, arsenal nuclear, modernização, ogivas nucleares, Pentágono, Pequim, EUA, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar