18:48 18 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Soldados das Forças Especiais da Indonésia, também conhecidos como Kopassus, durante um exercício conjunto contra o terrorismo com a unidade de elite SAS da Austrália no Aeroporto Internacional de Bali, em Kuta, Indonésia, 28 de setembro de 2010.

    Material ofensivo faz Indonésia cortar cooperação militar com Austrália

    © AP Photo / Firdia Lisnawati
    Defesa
    URL curta
    3150

    A suspensão da cooperação militar entre a Austrália e a Indonésia entra em vigor imediatamente, uma vez que há "altos e baixos em todas as cooperações entre duas forças nacionais", afirmou o major-general Wuryanto ao canal australiano ABC News.

    O jornal indonésio Kompas informou que a decisão se segue a um incidente na base do Regimento de Serviço Aéreo Especial australiano em Perth. Um instrutor do grupo de forças especiais indonésias Kopassus, envolvido no treinamento conjunto com as forças especiais australianas, "se teria sentido insultado por materiais encontrados na base". O material foi considerado de natureza degradante contra os princípios do Pancasila, a filosofia fundadora do Estado indonésio.

    A decisão ocorre apenas um mês antes das manobras navais conjuntas entre a Indonésia e a Austrália. Funcionários militares australianos disseram que era incerto se os exercícios se realizariam em fevereiro.

    A cooperação militar bilateral tem melhorado desde o Tratado de Lombok de 2006, quando as partes se comprometeram a cooperar em defesa e antiterrorismo. As relações se degradaram em 2013, quando documentos revelados por Edward Snowden indicaram que a Austrália estava grampeando conversas telefônicas do então presidente indonésio Susilo Bambang Yudhoyono.

    Mais:

    Austrália anuncia corte de ajuda à Indonésia após execução de australianos
    Indonésia tem planos de adquirir aviões anfíbios russos Be-200
    Incêndio em balsa causa vários mortos na Indonésia
    Tags:
    cooperação militar, Austrália, Indonésia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik