03:35 21 Julho 2019
Ouvir Rádio
    Sistema portátil de lançamento de mísseis terra-ar Igla-S

    10 principais sucessos do exército russo em 2016 (VÍDEOS)

    © Sputnik / Ivan Rudnev
    Defesa
    URL curta
    Destaques do ano 2016 e previsão para 2017 (16)
    8360

    A edição russa Zvezda resumiu o ano de 2016 fazendo uma lista dos eventos militares mais importantes do ano na Rússia.

    Libertação de Aleppo

    Um dos maiores sucessos militares da Rússia em 2016 foi a libertação da cidade síria de Aleppo. O Exército do Governo Sírio, apoiado por militares russos e iranianos, desempenhou o principal papel na operação. As tropas sírias atacaram as fortificações dos terroristas nos subúrbios de Aleppo. Ao felicitar o presidente sírio, Bashar al-Assad, Vladimir Putin destacou que "este sucesso só foi possível graças ao esforço conjunto de todos os que se uniram na luta contra o terrorismo internacional".

    Foi o Centro da Reconciliação russo na Síria, criado em fevereiro de 2016, que contribuiu para o processo de negociação entre as autoridades sírias e a oposição, além de organizar as entregas de assistência humanitária. Foram funcionários do Centro e militares russos que asseguraram a saída da população civil da cidade sitiada. Os terroristas, por sua vez, entregaram as armas e fugiram de Aleppo para Idlib.

    Os sapadores russos neutralizaram dezenas de milhares de engenhos explosivos e continuam trabalhando na cidade.

    Alta precisão das armas russas

    Durante 2016, os militares russos resolveram muitos problemas na Síria: desde a proteção dos comboios humanitários até o lançamento de ataques precisos de mísseis.

    Assim, em novembro, as forças russas na Síria lançaram mísseis Oniks do complexo Bastion contra alvos terrestres. Este foi o primeiro lançamento do sistema em condições de combate real.

    Os bombardeiros estratégicos russos também usaram, pela primeira vez em situação de combate real, novos mísseis ar-terra X-101 contra instalações terroristas.

    Além disso, em 15 de novembro, a fragata Admiral Grigorovich realizou lançamento de mísseis de cruzeiro 3M14T Kalibr. Os navios lança-mísseis russos Serpukhov e Zeleny Dol participaram igualmente da operação contra os jihadistas.

    Missão do Admiral Kuznetsov

    A missão do grupo naval russo no Mediterrâneo se tornou um evento histórico para as Forças Armadas russas. Esta missão foi uma verdadeira estreia para o porta-aviões e causo grande preocupação nos países ocidentais.

    Durante quase toda a campanha no Mediterrâneo, o grupo foi acompanhado por navios de guerra da OTAN. Além disso, em uma ocasião, os radares detectaram um submarino da Aliança perto do Admiral Kuznetsov.

    Aviões e caças multifuncionais F-16 fizeram diversos voos sobre o grupo naval russo. Além disso, as tripulações estrangeiras empreenderam várias tentativas de se aproximar a pouca distância dos navios russos, ações que os militares russos caracterizaram como provocação.

    Não obstante, os militares da OTAN puderam ver como é feita a instalação de mísseis nos caças russos Su-33 e MiG-29K. Apesar de que o comando da esquadra estava preparado para qualquer circunstância, os verdadeiros alvos dos aviões russos foram os pontos de controle dos terroristas, os seus armazéns de armas e munições.

    Instalação de mísseis Iskander em Kaliningrado

    A instalação do sistema de mísseis táticos Iskander na região russa de Kaliningrado foi desmentida e confirmada por fontes diferentes. Não obstante, em outubro de 2016, esse fato se tornou uma realidade.

    Isto gerou grande preocupação entre os países da OTAN: o sistema conta com mísseis balísticos e de cruzeiro. É bem sabido que o lançamento simultâneo de dois tipos de mísseis (impossíveis de neutralizar) implica uma destruição total dos alvos.

    Os exercícios militares realizados na região de Astrakhan mostraram as capacidades dos Iskander. Os mísseis atingiram os alvos a uma distância de 200 quilômetros, deixando uma cratera fumegante em seu lugar. O ministro do Exterior russo, Sergei Lavrov, disse que a implantação dos Iskander se deve às "atividades destrutivas da OTAN".

    Inspeções sem aviso prévio

    Depois de ocupar o cargo de ministro da Defesa da Rússia, Serguei Shoigu retomou as inspeções de surpresa no exército russo. Nestes exercícios, os militares são colocados em estado de alerta. Este tipo de inspeção pode ser realizado em vários distritos militares ao mesmo tempo.

    Assim, em 2016, durante as inspeções, foi avaliado o estado dos arsenais militares e o nível de preparação de vários organismos militares.
    Resumindo o ano de 2016, Vladimir Putin disse que as inspeções realizadas durante os últimos quatro anos, "confirmaram que as unidades militares são capazes de se deslocar rapidamente em um curto espaço de tempo para formar um agrupamento em determinada direção de importância estratégica".

    Exercícios Kavkaz 2016

    Os exercícios Kavkaz 2016, que tiveram lugar em setembro, proporcionaram muito material de reflexão para analistas de todo o mundo.

    Tornaram-se uma espécie de quintessência de todos os exercícios do exército russo e mostraram o aumento do seu potencial. 120.000 homens, 60 aviões e helicópteros, 15 navios da Frota russa do Mar Negro, 90 tanques e 400 unidades de outro tipo de equipamento militar participaram dos exercícios. Os militares russos não só treinaram as capacidades dos armamentos, mas também a logística e o abastecimento das tropas.

    O principal objetivo dos exercícios Kavkaz 2016 consistia em preparar os militares para uma possível “reversão” do exército para sul em caso de invasão inimiga.

    Exercícios internacionais

    Durante 2016 os militares russos realizaram uma série de exercícios conjuntos com outros países. Entre os mais importantes se destacam os exercícios com unidades militares das Forças de Reação Rápida da Organização do Tratado de Segurança Coletiva. As manobras, que tiveram lugar na região de Pskov, contaram com a participação de mais de 6.000 militares da Armênia, Bielorrússia, Cazaquistão, Quirguistão, Rússia e Tajiquistão.

    Além disso, Shoigu propôs organizar treinos táticos conjuntos anuais entre a Rússia e a Sérvia.

    Entre outros países que participaram dos exercícios conjuntos com o exército russo estão o Paquistão, a Mongólia, o Vietnã e a Índia.

    Jogos Militares Internacionais

    Os Jogos Militares Internacionais 2016 também contribuíram para o desenvolvimento da cooperação militar. A cada ano, novos países aderem a estas competições para mostrar suas capacidades. Assim, em 2016, participaram dos jogos 19 países: Rússia, China, Cazaquistão, Bielorrússia, Irã, Azerbaijão, Mongólia, Venezuela, Marrocos, Egito, Zimbábue, Armênia, Angola, Índia, Tanzânia, Grécia, Kuwait e Nicarágua.

    A competição "biatlo de tanques" foi o concurso mais espetacular, durante o qual as tripulações competiram em velocidade e dispararam contra alvos simulados de tanques e helicópteros.

    A equipe russa venceu 20 competições de 23.

    Parada da Vitória

    A Parada da Vitória de 2016 foi um pouco mais modesta que a de 2015. Não obstante, impressionou tanto os russos como os visitantes de Moscou. Bombardeiros estratégicos Tu-160 e helicópteros Ka-52 sobrevoaram a capital russa, enquanto tanques T-90 e Armata, veículos blindados Tigr, Taifun e Kurganets e obuses autopropulsados Koalitsia-SV cruzaram a Praça Vermelha.

    Renovação do exército russo

    Resumindo o ano, vale notar as alterações que ocorreram nas Forças Armadas da Rússia em 2016. Em primeiro lugar, a Força Aérea da Rússia recebeu 139 aviões e a Marinha foi equipada com 24 novos navios de guerra e dois submarinos  multifuncionais. O Exército nacional conta agora com 88 novos  sistemas de artilharia e 764 veículos blindados.

    Além disso, foram implantados novos sistemas de mísseis táticos Iskander, sistemas de mísseis costeiros Bastion, sistemas de lança-foguetes múltiplos Tornado-S e vários meios de guerra eletrônica.

    Em segundo lugar, as unidades militares receberam simuladores que ajudam os soldados a lidar com os modernos equipamentos. Por fim, no domínio de desenvolvimento de novas tecnologias para o exército, foram criadas novas unidades científicas. Em geral, pode-se concluir que, em 2016, o Exército e a Marinha da Rússia atingiram um novo nível quanto às suas capacidades e potencial.

    Tema:
    Destaques do ano 2016 e previsão para 2017 (16)

    Mais:

    Lavrov revela o real motivo do deslocamento de mísseis Iskander na Rússia
    Novos sistemas de mísseis Bastion chegam à Crimeia
    Por que porta-aviões russo Admiral Kuznetsov é melhor que os rivais da OTAN? (VÍDEO)
    Tags:
    defesa, exército, segurança nacional, exercício militar, OTAN, Sergei Shoigu, Sergei Lavrov, Vladimir Putin, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar