02:50 14 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Sistema de guerra eletrônica Borisoglebsk-2

    Este sistema original de guerra eletrônica russo não tem análogos no mundo (FOTOS)

    © Foto/ Corporação Unida de Construção de Equipamentos
    Defesa
    URL curta
    12412
    Nos siga no

    A guerra eletrônica e a confrontação no ciberespaço é hoje um dos assuntos mais importantes para qualquer país. O país que começou o desenvolvimento de tais armas foi a Rússia.

    Pela primeira vez a guerra eletrônica foi aplicada pela Marinha russa durante a Guerra Russo-Japonesa em 1904, quando estações de rádio a bordo de navios russos foram usadas para criar perturbações em transmissões telegráficas entre navios da esquadra japonesa. Depois essas armas foram aperfeiçoadas durante a Primeira Guerra Mundial, a Grande Guerra Patriótica (parte da Segunda Guerra Mundial, compreendida entre 22 de junho de 1941 e 9 de maio de 1945, e limitada às hostilidades entre a União Soviética e a Alemanha nazista e seus aliados) e os acontecimentos no Cáucaso do Norte.

    Hoje, os especialistas militares russos podem se gabar de ter conseguido criar uma base mais poderosa e segura de guerra eletrônica para as Forças Armadas da Rússia, cujos sistemas ultrapassam em termos das suas caraterísticas os análogos estrangeiros.

    Entre os desenvolvimentos russos nesta área está o sistema móvel polivalente de guerra eletrônica Borisoglebsk-2. Ele se destina a equipar destacamentos especiais das Forças Armadas da Rússia. Ele pode ser usado para realizar inteligência via rádio, pode desorientar o inimigo impedindo-o de transmitir quaisquer sinais. Além disso, pode bloquear todos os meios modernos de transmissão de ondas de rádio inclusive meios de navegação, telefonia celular e via satélite.

    O especialista russo Danil Gatilov, representante da Corporação Unida de Construção de Equipamentos (OPK, na sigla russa), falou à Sputnik Persa sobre as caraterísticas do novo sistema russo.

    Sistema de guerra eletrônica Borisoglebsk-2
    Sistema de guerra eletrônica Borisoglebsk-2

    "O nosso sistema de inteligência eletrônica e bloqueio de sinais de rádio Borisoglebsk-2 é um produto prospectivo que faz parte da base técnica do sistema de guerra eletrônica das Forças Armadas da Rússia. O seu propósito é a busca de fontes e canais de comunicações via rádio e telefonia celular do inimigo potencial e criar interferências visando bloquear completamente esses canais", disse ele.

    O próprio sistema Borisoglebsk-2 agora passando por modernização, destacou. Hoje, em termos de suas caraterísticas e capacidades para bloquear sinais de rádio e eletrônicos do inimigo, o sistema não tem análogos na Rússia ou no estrangeiro. Ele acrescentou que o sistema consiste de módulos e um cada um pode incorporar até 9 módulos.

    Sistema de guerra eletrônica Borisoglebsk-2
    Sistema de guerra eletrônica Borisoglebsk-2

    "O próprio sistema pode detectar e ao mesmo tempo determinar a direção das fontes comunicações via rádio num raio de 20 km", afirmou Gatilov.

    O representante da empresa russa disse que nem todos os sistemas militares russos podem ser exportados por razões de salvaguarda dos interesses de segurança nacional. Entretanto, muitos dos sistemas russos atraem a atenção de consumidores estrangeiros.

    Sistema de guerra eletrônica Borisoglebsk-2
    Sistema de guerra eletrônica Borisoglebsk-2

    "Apesar de ser um produto específico, e de ser claro que o lucro da sua exportação não ultrapassará o das exportações de gás e petróleo, ele tem potencial exportador porque é um produto único", disse o especialista, acrescentando que a questão da guerra eletrônica é importante não somente na Rússia, mas em todo o mundo. Há países interessados no Oriente Médio, Ásia e América do Sul.

    Como exemplo, entre os possíveis compradores Gatilov destacou o Irã.

    Mais:

    Militares russos se tornam invisíveis com nova pomada inovadora
    Tags:
    rádio, meios de comunicação, guerra, sistema, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar