08:00 22 Julho 2018
Ouvir Rádio
    Os tanques de guerra russos T-90A durante o ensaio geral da Parada da Vitória na Praça Vermelha em Moscou, 7 de maio de 2016.

    Ministro da Defesa russo: armas modernas no exército vão superar 50% até final de 2016

    © Sputnik / Ilia Pitalaev
    Defesa
    URL curta
    5120

    A parcela de armas e material militar modernos nas Forças Armadas russas vai ultrapassar 50 por cento, como foi programado, informou aos jornalistas o ministro da Defesa russo Sergei Shoigu na sexta-feira (25).

    "Vocês sabem bem que continua atualmente a execução do programa de rearmamento técnico do Exército e da Marinha. A parcela de material militar moderno nas tropas está aumentando constantemente. Até o final de 2016 essa cifra vai superar 50 por cento", informou Shoigu durante uma conferência científica.

    Como foi informado anteriormente, até 2020 este índice deverá alcançar 70 por cento e em algumas armas do Exército – os 100 por cento.

    O ministro destacou que a Rússia está dando passos para criar sistemas de armamento promissores baseados em novos princípios físicos.

    "Além disso, está sendo aperfeiçoado o comando das Forças Armadas em vários níveis e estão sendo resolvidas questões da proteção social dos militares", frisou Shoigu.

    As armas baseadas em novos princípios físicos usam processos e fenômenos que antes não eram usados nas armas convencionais e armas de destruição em massa, como químicas, nucleares ou bacteriológicas. Dependendo do princípio físico empregado, as novas armas podem ser classificadas como armas laser, de radiofrequência, cinéticas, etc.

    Mais:

    Ministro da Defesa russo: fragata Admiral Grigorovich lançou mísseis contra alvos na Síria
    Ministro da Defesa russo: ações da OTAN obrigam que Rússia tome medidas de resposta
    Tags:
    físico, armas de destruição em massa, princípios, rearmamento, Marinha da Rússia, Forças Armadas da Rússia, Exército da Rússia, Sergei Shoigu, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik