13:14 11 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Painel de processamento de dados no posto de comando russo

    Novo sistema russo será capaz de abafar comunicações das forças dos EUA e da OTAN

    © Sputnik/ Sergey Pyatakov
    Defesa
    URL curta
    41473

    O sistema estratégico de luta radioeletrônica que está sendo criado pela Rússia será capaz de abafar o sinal do Sistema Global de Comunicações de Altas Frequências dos EUA que coordena a ligação entre todos os órgãos de controle militar de Washington e de seus aliados da OTAN.

    O anúncio foi feito na segunda-feira (14) pela assessoria de imprensa do consórcio Tecnologias Radioeletrônicas (KRET), empresa-fabricante do sistema de luta radioeletrônica.

    Segundo Vladimir Mikheev, primeiro vice-diretor-geral da KRET, o referido sistema "é uma resposta assimétrica ao conceito centralizado de ações militares das Forças Armadas dos EUA e da OTAN com base no espaço de informação unido".

    Em outras palavras, esse conceito visa eliminar o campo informacional do inimigo e impedir que ele receba informações de comando.

    "Primeiramente, o complexo (Murmansk-BN) é voltado contra os sistemas que funcionam nas faixas de frequência de ondas curtas, tais como Sistema Global de Comunicações de Altas Frequências dos EUA (High Frequency Global Communications System). Esse sistema providencia comunicações entre todos os órgãos de controle do Ministério da Defesa, aviões e navios dos EUA e de seus aliados da OTAN", diz-se no comunicado.

    Segundo a KRET, "a comunicação por satélite não possui capacidade e sustentabilidade suficientes". Esse fato indica que o "funcionamento de sistemas que se encontram na zona de alcance dos complexos de luta radioeletrônica russos, isto é, postos de comando terrestres, navios ou aviões, será consideravelmente dificultado".

    Mais:

    Deputado: OTAN tenta explicar agressão com ameaças míticas da Rússia
    OTAN confessa: Rússia não é uma ameaça
    Tags:
    satélite, faixas, radioeletrônica, luta, Kret, OTAN, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik