02:11 18 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    Exercícios das forças aéreas e das forças de defesa antiaérea da Rússia e Bielorrússia

    Rússia e mais 6 países começam manobras de defesa antiaérea de grande escala

    © Sputnik/ Evgeny Yepanchintsev
    Defesa
    URL curta
    668837561

    Os exércitos da Rússia e de outros seis países da Comunidade de Estados Independentes (CEI) iniciaram treinamentos de defesa antiaérea, informou o Ministério da Defesa da Rússia.

    Do treinamento participam as forças antiaéreas da Armênia, Bielorrússia, Cazaquistão, Quirguistão, Rússia, Tadjiquistão e Uzbequistão.

    "Mais de 130 postos de comando e de controle dos sete países da CEI começaram em 26 de outubro manobras para melhorar a coordenação do sistema de defesa antiaérea da CEI", se destaca em um comunicado da entidade.

    Cerca de 100 aviões de combate levantaram voo para interceptar bombardeiros "intrusos" nas regiões centro-asiáticas e europeias. Caças MiG-31, MiG-29 e Su-27 decolaram das bases da Rússia, Bielorrússia, Cazaquistão, Quirguistão, Uzbequistão e Armênia, depois de receber alerta de radares do sistema de defesa antiaérea.

    Os militares dos sete países treinaram como agir em caso de violação do espaço aéreo por parte de aviões invasores, sequestro de aeronaves comerciais e de assistência às tripulações em casos de emergência.

    A Comunidade de Estados Independentes é uma organização internacional que reúne uma dezena de antigas repúblicas da União Soviética.

    Mais:

    Bielorrússia está pronta a morrer pela Rússia em caso de guerra
    'Ocidente apresenta treinamentos militares russos como nova Guerra Fria'
    Kremlin: Ucrânia não sairá da CEI em nenhum futuro previsível
    Putin destaca o crescente nível de ameaças externas aos países da CEI
    Paraquedistas russos vão à África para treinamentos conjuntos com Egito
    Tags:
    treinamento militar, sistema de defesa antiaérea, manobras, Su-27, MiG-31, MiG-29, Bielorrússia, Armênia, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik