20:15 24 Maio 2020
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    16550
    Nos siga no

    O Centro de Reparação Naval do estaleiro Zvezdochka, que faz parte da Corporação Unida de Construção Naval da Rússia, concluiu os trabalhos de manutenção e modernização do grande submarino nuclear BS-64 Podmoskovie, informou a assessoria de imprensa do fabricante na segunda-feira (24).

    O submarino nuclear Podmoskovie iniciou testes no mar Branco pela primeira vez após uma pausa de 16 anos. Durante esse período, o submarino foi reequipado na cidade portuária russa de Severodvinsk para ser portador de minissubmarinos.

    Segundo o comunicado da assessoria, "no sábado, 22 de outubro, o navio abandonou a bacia do fabricante e saiu ao mar para realizar um programa de testes".

    A construtora naval informa que durante a verificação os tripulantes pretendem checar todo o conjunto de sistemas e mecanismos do submarino para testar suas características projetadas.

    Submarino nuclear Vladimir Monomakh
    © Foto / Escritório de construção Rubin
    O submarino portador de mísseis estratégicos BS-64 Podmoskovie, anteriormente conhecido como K-64, do projeto 667BDRM Delfin do Gabinete Central de Projetos de Engenharia Naval Rubin, é o terceiro de sete submarinos desta classe já construídos. O BS-64 foi posto ao serviço da Marinha da URSS em 1987 e no mesmo ano realizou seu primeiro teste com provas no polígono do mar Branco. Em 1999, foram iniciados trabalhos de reparação do submarino com o objetivo de reequipá-lo para ser portador de minissubmarinos. 

    O Podmoskovie pode transportar uma guarnição de 135 homens e está armado com mísseis balísticos a combustível líquido R-16 29RMU Sineva. O BS-64 passará a integrar a Frota do Norte russa.

    Mais:

    Submarino russo de quinta geração pode ser desenvolvido até 2020
    Mais um submarino de ataque nuclear russo é lançado à água
    Tags:
    polígono de testes, reparação, reequipar, submarino nuclear, K-64, Marinha da Rússia, Rubin, Mar Branco, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar