23:43 20 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    118
    Nos siga no

    A mídia alemã fala frequentemente de "guerra híbrida". Entretanto, ninguém sabe o que significa o termo. Ao mesmo tempo, o governo alemão já planejou quais serão as medidas contra essa guerra e encontrou a fonte da ameaça – a Rússia.

    Em entrevista à Sputnik Alemanha, o deputato do Bundestag (parlamento da Alemanha) Andrej Hanko disse que ainda não há definição clara para o termo “guerra híbrida” entre os parlamentares da Alemanha. Segundo o político, em geral o termo significa uma fusão de atores governamentais e não governamentais, propaganda e demonstração de suas armas.

    "Não recebi nenhuma resposta concreta do governo federal ao meu pedido se realmente a Alemanha pode estar sujeita a quaisquer ameaças híbridas. <…> Entretanto, sem dúvida que se trata da Rússia", disse Hanko.

    "Tenho a impressão que isso é somente uma palavra da moda criada para provocar receios e legitimar o reforço militar dentro e fora do país e para fortalecer a inteligência no estrangeiro", acrescentou.

    Hanko afirmou que o governo alemão toma várias medidas em níveis diferentes para reforçar suas capacidades militares.

    "O orçamento para este ano, que será discutido no Bundestag em setembro, atribui ao Bundeswehr (exército alemão) dois bilhões de euros adicionais", disse o político.

    Além disso, ele destacou que algum tempo atrás a União Europeia criou um departamento especial que deve tratar das ameaças híbridas. Este departamento coopera com a OTAN. Antes se tornou público que o governo alemão planeja introduzir um novo conceito de defesa civil que contém medidas para proteger a população contra ataques armados, atentados, ciberataques e outras situações de emergência.

    Mais:

    Suécia não considera Rússia uma ameaça imediata mas prefere OTAN
    'Somente EUA lucrarão com criação de exército europeu conjunto'
    Tags:
    Rússia, Alemanha, Ocidente, ameaça, propaganda
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar