02:45 26 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    Preparações para o teste da bomba nuclear B61-12

    Saiba onde os EUA planejam colocar seu novo arsenal nuclear modernizado

    © flickr.com/ Sandia Labs
    Defesa
    URL curta
    122753224

    Na segunda-feira a Administração Nacional de Segurança Nuclear dos EUA (NNSA em inglês) anunciou a etapa final no desenvolvimento da sofisticada bomba nuclear de gravidade B61-12 que será transportada por aviões, antes de passar à fase de fabricação.

    A primeira versão da bomba estará finalizada até 2020. 

    Antes foi informado que vinte dessas bombas modernizadas serão destinadas à Europa como meio possível de intimidação contra a Rússia. 

    A NNSA, agência responsável pelo uso militar de tecnologias nucleares, autorizou a produção da bomba termonuclear aérea B61-12. De acordo com a entidade, a fabricação das primeiras bombas sofisticadas B61-12 terá início em 2020, enquanto as restantes serão produzidas até 2024.

    Foi destacado que a autorização do programa de extensão do prazo de vida útil (Life Extension Program, em inglês, ou LEP) é a fase final antes da produção da bomba.

    A B61-12 é uma bomba guiada, na qual a montagem do kit de cauda guiado feita pela Boeing lhe permite acertar em alvos de maneira mais exata em comparação com os modelos anteriores.

    A força explosiva da bomba pode ser ajustada antes do lançamento desde um máximo de 50 mil toneladas de TNT até um mínimo de 300 toneladas.

    A B61-12 será capaz de explodir tanto no solo, como na atmosfera.

    Na fase inicial, a B61-12 será transportada por aviões B-2, F-15E, F-16 e pela aeronave Tornado e, a partir dos anos 2020, pelo caça-bombardeiro F-35A e posteriormente por bombardeiros de longo alcance da próxima geração LRS-B.

    A B61-12 substituirá os modelos existentes da bomba – B61-3, —4, —7, e —10.

    A partir de meados dos anos 2020 está prevista a produção de 480 bombas B61-12.

    Atualmente cerca de 200 bombas B61 se encontram armazenadas dentro de 90 abrigos antiaéreos em seis bases de cinco países da OTAN (na Bélgica, Alemanha, Itália, Holanda e Turquia).

    Em setembro do ano passado a estação pública televisiva alemã ZDF citou um documento do Pentágono, dizendo que a Força Aérea norte-americana iria transportar bombas nucleares modernizadas B61 para a base aérea alemã de Buchel substituindo as 20 bombas aí existentes.

    "Em outras palavras, a bomba termonuclear de baseamento aéreo foi projetada para o próximo quarto de século principalmente para a Europa. Mas Washington não indica como e contra quem as bombas nucleares modernizadas irão proteger o continente", diz o artigo analítico no site da agência RIA Novosti.

    É fácil entender que as bombas termonucleares serão usadas em primeiro lugar para intimidar a Rússia. O resto da Europa vai se tornar refém das circunstâncias orquestradas do outro lado do Atlântico.

    Em setembro de 2015, o porta-voz do Kremlin Dmiry Peskov chamou esses planos de violação do equilíbrio estratégico na Europa, o que vai exigir que a Rússia tome contramedidas respetivas.

    Mais:

    FBI investiga ameaças de bomba em escolas dos EUA
    Comprar componentes e montar bomba suja nos EUA é demasiado fácil
    Tags:
    lançamento, aviões, fabricação, bomba nuclear, Kremlin, B61-12, Boeing, Pentágono, OTAN, Ria Novosti, Dmitry Peskov, Turquia, Holanda, Itália, Alemanha, Bélgica, Europa, Washington, Atlântico, Rússia, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik