03:26 22 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    Sistema da defesa antimíssil PAC-3

    Japão dá ordem de intercepção de mísseis da Coreia do Norte

    © AP Photo/ Shizuo Kambayashi
    Defesa
    URL curta
    11319866

    O Japão vai passar em breve a interceptar todos os mísseis da Coreia do Norte ou de seus fragmentos, comunica canal de televisão NHK, citando fontes governamentais.

    A razão desta decisão foi o lançamento de mais um míssil pela Coreia do Norte na quarta-feira.  Os fragmentos de míssil teriam caído na zona econômica exclusiva  do Japão. 

    Militares japoneses não conseguiram detetar a preparação do lançamento, por isso foi concluído que ele foi realizado a partir de um veículo lançador móvel. 

    Até o momento,  o ministro do Japão tinha sempre dado ordens às forças da autodefesa de destruição dos mísseis sempre que existissem sinais de preparação do lançamento por parte da Coreia do Norte, comunica NHK.

    Kim Jong-un observa o lançamento de um míssil balístico
    © REUTERS/ KCNA/ via REUTERS/Foto de arquivo
    O governo do Japão, após analisar o último lançamento, concluiu que se tratou de um míssil balístico da médio alcance Nodon, que pode atingir o território do Japão. 

    Tomando em consideração que é muito difícil prever o lançamento de míssil de um veículo lançador, o governo pode emitir ordem de intercepção de mísseis como procedimento regular, para que os contratorpedeiros com mísseis guiados, equipados com complexos Aegis e sistemas da defesa aérea PAC-3, estejam em alerta máximo. 

    A Coreia do Norte realizou na quarta-feira (05) mais um lançamento de mísseis, um dos quais caiu na zona econômica exclusiva do Japão.

    Mais:

    Escombros de míssil balístico da Coreia do Norte descobertos no mar do Japão
    Forças do Japão estão prontas para míssil da Coreia do Norte
    Tags:
    veículo, ordem, intercepção, lançador, decisão, alerta máximo, mísseis, Defesa antimíssil (DAM), lançamento, Coreia do Norte, Japão
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik