00:13 24 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    Coordenador do inquérito do envolvimento britânico na guerra no Iraque John Chilcot apresenta relatório, Londres, Reino Unido, 6 de julho de 2016

    EUA 'podiam aprender' a verificar dados da inteligência antes de invadir países

    © AFP 2017/ JEFF J MITCHELL / POOL
    Defesa
    URL curta
    Relatório Chilcot (7)
    0 824122

    As revelações de John Chilcot devem reforçar a importância de os líderes dos EUA analisarem as informações da inteligência norte-americana antes de iniciar intervenções militares, disse o ex-vice-secretário dos EUA da Defesa Lawrence Korb em uma entrevista a Sputnik.

    Na quarta-feira John Chilcot publicou um relatório sobre o papel da Grã-Bretanha na guerra de 2003 no Iraque. O relatório conclui que a decisão do país de entrar na guerra foi baseada em dados e avaliações errados.

    “O que nós [os Estados Unidos] podíamos aprender é o que é necessário analisar as informações que as pessoas têm antes de levar a cabo uma ação e também consultar as fontes [da inteligência]”, — disse Korb na quarta-feira.

    Segundo Korb, um dos problemas na questão do Iraque foi que o país confiou em fontes não verificadas como "Curveball" – o delator que providenciou informações falsas referentes ao programa de armas de Saddam Hussein.

    As revelações de Chilcot, de acordo com Korb, devem tornar os americanos mais céticos em relação às intervenções militares em outros países, especialmente no caso de não haver um objetivo preciso.

    "Antes de se interferir você deve ter certeza que tem um objetivo", lamentou Korb. "Acho que aprendemos isso na Líbia. Livrar-se de [líder da Líbia Muammar] Kadhafi foi uma coisa, mas o que fazer em seguida?"

    Korb acrescentou que antes de intervir, vale a pena prever qual será o final de uma operação, a sua duração e se o governo dos EUA e os cidadãos americanos querem ou não sacrificar-se para continuá-la.

    Depois dos ataques de 11 de setembro, os princípios testados pelo tempo foram esquecidos e algumas pessoas afirmavam erradamente que os EUA teriam que se livrar de Hussein para prevenir um "próximo 9/11".

    Chilcot chefiou o comité que examinou as razões da guerra apresentadas pelo governo do então primeiro-ministro britânico Tony Blair. Blair afirmava na altura que o conflito de 2003 seria necessário para prevenir a proliferação de armas de destruição em massa por parte do ex-líder iraquiano Saddam Hussein.

    Tema:
    Relatório Chilcot (7)

    Mais:

    David Cameron: 'Erros no Iraque não significam que invasão foi uma falha'
    WikiLeaks publica 1.250 emails de Hillary sobre invasão no Iraque
    Tags:
    intervenção militar, Guerra do Iraque, Lawrence Korb, Saddam Hussein, Tony Blair, Grã-Bretanha, Iraque, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik