06:15 14 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Logo da próxima cúpula da OTAN em Varsóvia em junho de 2016

    Stoltenberg: Rússia não representa ameaça para membros da OTAN

    © AP Photo/ Jonathan Ernst
    Defesa
    URL curta
    6112

    A Rússia não é uma ameaça para os membros e aliados da OTAN, mas a Aliança está pronta para a guerra da informação, afirmou Jens Stoltenberg, secretário-geral da OTAN, nesta quarta (1) durante uma coletiva de imprensa.

    Jens Stoltenberg, secretário-geral da OTAN
    © REUTERS/ Arnd Wiegmann
    Jens Stoltenberg, secretário-geral da OTAN

    Stoltenberg realizou uma visita oficial à Polônia em 30-31 de maio, onde teve encontros de trabalho com o presidente da Polônia Andrzej Duda, o chanceler Witold Waszczykowski e o ministro da Defesa Anthony Macherevich. Durante os encontros, foi discutida a próxima cúpula da OTAN em Varsóvia, em junho, e as decisões que serão tomadas. Durante uma coletiva da imprensa, Stoltenberg afirmou que OTAN não procura a confrontação com a Rússia, e as ações de ampliação da presença da aliança na Europa Oriental estão relacionadas não com a ameaça proveniente da Rússia, mas com os perigos vindos do Oriente Médio e Norte da África.

    “O comportamento da Rússia nos últimos anos é uma das razões porque a OTAN está se adaptando à nova realidade e porque estamos fortalecendo a nossa defesa coletiva desde a Guerra Fria. <…> Ao mesmo tempo, enviamos à Rússia um sinal bem claro de que não queremos o confronto e não procuramos a nova Guerra Fria. Queríamos evitar a nova corrida armamentista e vamos continuar fazendo tudo o possível para estabelecer um diálogo construtivo com a Rússia, porque isto serve os interesses da OTAN e os interesses da Rússia no longo prazo”, afirmou Stoltenberg. 

    No entanto, o secretário-geral também confirmou que a Aliança está pronta para a guerra de informação com a Rússia. “A OTAN está pronta para proteger os seus aliados de qualquer ameaça. Estamos elaborando novas soluções no âmbito das assim chamadas novas ameaças híbridas militares e não militares, realizadas de forma explícita e implícita, incluindo a guerra da informação e propaganda”, frisou ele.

    Stoltenberg também afirmou que atualmente a Rússia não representa qualquer ameaça à OTAN. "Ao mesmo tempo, no momento não vemos que a Rússia possa representar qualquer ameaça para os países aliados da OTAN. Temos a aliança militar mais poderoso no mundo, temos métodos eficientes de contenção e de defesa coletiva. Mas não é porque queiramos a guerra, é porque queremos evitá-la", concluiu o secretário-geral.

    Em janeiro de 2015, o secretário-geral da OTAN, Jens Stoltenberg, confirmou os planos de criação de postos de comando e de forças de reação rápida em seis países da Europa Oriental (Estônia, Letônia, Lituânia, Romênia, Polônia e Bulgária).

    Segundo Stoltenberg, o “conceito estratégico” de sua organização não sofreu mudanças em relação à Rússia. Ele ressaltou que a OTAN não busca “um confronto” nem pretende fomentar “uma nova corrida armamentista”.

    ​A OTAN tem afirmado várias vezes sobre a intenção de deslocar suas tropas para a Europa Oriental. Por sua vez, Moscou expressou o descontentamento com as iniciativas da Aliança destinadas ao aumento da presença militar na fronteira com a Rússia, e afirmou que tais ações são uma ameaça aos seus interesses e segurança nacional.

    Mais:

    OTAN efetuará gastos sem precedentes em 2016
    OTAN defende Estados Bálticos de 'inimigo imaginário' em exercícios na Estônia
    Polônia nega que escudo antimísseis da OTAN ameace a Rússia
    Tags:
    conflito, guerra, guerra de informações, deslocamento, confrontos, ameaça militar, OTAN, Witold Waszczykowski, Andrzej Duda, Jens Stoltenberg, Norte da África, Oriente Médio, Bulgária, Romênia, Lituânia, Letônia, Estônia, Europa Oriental, Rússia, Polônia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik