17:43 22 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    O silo de míssil

    Novo míssil russo RS-28 pode ‘enganar’ qualquer defesa antimíssil

    © Sputnik/ Yury Abramochkin
    Defesa
    URL curta
    2420872846

    Os melhores sistemas de defesa antimíssil poderão ser incapazes de interceptar o novo míssil balístico intercontinental russo RS-28 (Sarmat), que estará pronto para testes neste verão, informou a agência de notícias russa Zvezda.

    O RS-28 é um míssil balístico intercontinental pesado de combustível líquido que está sendo elaborado para o exército russo.

    O míssil é projetado para substituir o antigo míssil soviético R-36M Voevoda ("Satan" segundo a classificação da OTAN), como o componente básico do potencial nuclear da Rússia. O míssil RS-28 está em desenvolvimento desde 2009 e deverá substituir os sistemas antigos em 2018.

    O Lançamento de míssil intercontinental balístico RS-20 Voyevoda
    © Sputnik/ Vladimir Fedorenko
    O Lançamento de míssil intercontinental balístico RS-20 Voyevoda

    "Nesse sentido, o míssil Sarmat é projetado não somente para suceder ao R-36M, mas também para determinar o sentido em que a dissuasão nuclear vai se desenvolver", afirmou o site da Zvezda.

    A agência também acrescentou que o novo míssil RS-28 será capaz de eliminar tudo em uma área do tamanho do Texas ou da França, e que a sua velocidade lhe permitirá “enganar” qualquer sistema de defesa antimíssil existente.

    Embora haja pouca informação sobre as características técnicas do novo míssil, alguns fontes dizem que o Sarmat é um míssil com um alcance operacional estimado de 10.000 km e um peso de 100 toneladas, incluindo uma carga de 4 a 10 toneladas.

    O RS-28 será equipado com mísseis de reentrada múltipla independentemente direcionados (MIRV, na sigla em inglês) com dezenas de ogivas nucleares. 

    As ogivas do Sarmat terão uma série de contramedidas destinadas a penetrar qualquer “escudo” antimíssil. Os analisas dizem que o RS-28 também vai ter uma versão hipersônica convencional como o Advanced Hypersonic Weapon estadunidense ou o WU-14chinês, que poderá ser usado como uma arma intercontinental de alta precisão em um conflito não-nuclear.

    O Ministério da Defesa russo pretende colocar o Sarmat em serviço no final de 2018 e substituir o Voevoda até 2020.

    Mais:

    Rússia realizou exercícios navais com sistemas de míssil Kalibr
    Pyongyang lança míssil balístico
    Tags:
    arma nuclear, Defesa antimíssil (DAM), míssil balístico intercontinental, Satan, Voevoda, Sarmat, OTAN, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik