02:43 23 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Valery Gerasimov durante conferência conjunta com o presidente russo no Ministério da Defesa em 11 de dezembro

    Militares russos vão desenvolver concepção de 'poder brando'

    © Sputnik / Grigory Sysoev
    Defesa
    URL curta
    15413

    Os teóricos militares russos pretendem responder à guerra híbrida e preparar para desenvolver o seu conceito de “poder brando” (soft power), informou o jornal russo Kommersant na terça-feira (1), citando um alto funcionário militar.

    O “soft power” é geralmente considerado como a habilidade de uma entidade ou Estado de influenciar indiretamente o comportamento ou interesses de outras entidades ou Estados por meios culturais ou ideológicos.

    Manifestações em Egito. 24 de abril, 2015
    © AP Photo / Belal Darder
    O jornal citou o relatório apresentado no fim de semana pelo chefe do Estado-Maior russo Valery Gerasimov na reunião da Academia de Ciências Militares. Gerasimov enumerou os componentes das guerras híbridas: de acordo com ele, estas incluem as chamadas revoluções coloridas, os ciberataques e atividades de “poder brando”.

    Tal como as revoluções coloridas (que o Ministério da Defesa considera, de fato, como golpes de Estado) são uma forma da guerra híbrida, é impossível as enfrentar usando tropas convencionais: elas só podem ser neutralizadas com os mesmos métodos híbridos", cita o Kommersant o relatório.

    Os especialistas militares presentes na reunião, convocada para uma abordagem séria quanto ao desenvolvimento de um conceito de “poder brando”, notaram que "alguns dos seus elementos já integram a política externa da Rússia, mas eles só são descritos em traços gerais e são copiados em muito das elaborações estrangeiras neste domínio”.

    Mais:

    Putin: Rússia vai aperfeiçoar armas nucleares como fator de segurança
    Quem é que Obama vai bombardear no Afeganistão?
    Putin explicou a origem dos atuais problemas da Europa
    Tags:
    soft power, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik