23:58 24 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Tu-160 Blackjack strategic bomber

    Forças Aéreas e Espaciais da Rússia estão recebendo 1.000 novos aviões e helicópteros

    © Fotobank.ru/Getty Images /
    Defesa
    URL curta
    Defesa da Rússia (214)
    14402

    O comandante das Forças Aéreas e Espaciais russas, General Viktor Bonkarev, afirmou nesta quarta-feira (12) que estas unidades terão recebido, aproximadamente, 1.000 novos aviões e helicópteros até 2020.

    De acordo com o programa de rearmamento da Rússia, avaliado em US$ 325 bilhões, aeronaves de quarta geração estão sendo substituídas por novos modelos, aumentando até 2020 a quantidade de equipamento militar atualizado para 70%. Além disso, a produção do bombardeiro estratégico Tu-160 será renovada, com as novas versões modernizadas programadas para entrar em serviço em 2021.

    “De 1992 a 2012, a Força Aérea recebeu praticamente nada, exceto para algumas unidades de equipamentos e nada muito moderno. A partir de 2012, nós recebemos mais de 300 aviões e helicópteros e, em 2020, esse número estará perto de 1.000 novos aviões e helicópteros, além dos aviões e helicópteros modernizados”, disse Bondarev durante uma entrevista ao vivo no canal de TV Rossiya-24.

    O comandante acrescentou que as Forças Aéreas e Espaciais esperam receber o primeiro bombardeiro estratégico supersônico Tu-160 Blackjack modernizado em 2021. O avião tem asas de varredura variável e foi projetado para atingir alvos em todo o mundo com armas nucleares e convencionais.

    Em 2013, o Ministério da Defesa russo assinou um contrato com a companhia Kazan Tupolev Aviões, responsável pelo projeto, no valor de 3,4 bilhões de rublos, aproximadamente US$ 66 milhões, para atualizar três bombardeiros Tu-160.

    Tema:
    Defesa da Rússia (214)
    Tags:
    bombardeiro supersônico, bombardeiro estratégico, armas nucleares, mísseis, rearmamento, programa, modernização, helicópteros, aviões, Tu-160, Força Aérea, Tupolev, Viktor Bondarev, Kazan, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar