08:32 22 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    Míssil hipersônico

    Almirante norte-americano: Rússia e China desenvolvem armas hipersônicas que ameaçam EUA

    © Sputnik/ Ildus Gilyazutdinov
    Defesa
    URL curta
    198178823

    Rússia e China estão desenvolvendo equipamentos de alta velocidade para combate que representam uma nova ameaçam aos Estados Unidos, acredita o Comando Estratégico das Forças Armadas dos EUA, informou a publicação Washington Free Beacon.

    O chefe da entidade militar norte-americana, almirante Cacil Haney, declarou que o desenvolvimento de armas hipersônicos está entre algumas das novas e perigosas tendências mundiais.

    "Países nucleares e não-nucleares estão dispostos (…) a usar capacidades desproporcionais como opções para alcançar seus objetivos em tempos de crise e conflito, bem como novas tecnologias" – disse Haney.

    De acordo com a publicação, a China realizou quatro testes de uma aeronave capaz de alcançar velocidades superiores a 11 mil km/h, e a Rússia também está desenvolvendo armamentos de alta velocidade.

    Haney acredita que as capacidade de armamentos modernos que estão a disposição de adversários dos EUA estão aumentando e tornando-se cada vez mais velozes e protegidos.

    Em coletiva de imprensa, o almirante norte-americano destacou que o Pentágono já está trabalhando no desenvolvimento de meios para combater armas hipersônicas.

    Segundo um outro artigo publicado pelo Washington Free Beacon, a Rússia estaria realizando testes de uma nova aeronave hipersônica Yu-71 capaz de transportar ogivas nucleares. A publicação destaca que o projeto russo trata de em uma tentativa de superar a defesa antimísseis dos EUA, criada para destruir alvos balísticos que possuem trajetórias calculáveis.

    Os aparelhos hipersônicos são pouco vulneráveis porque suas trajetórias não são calculáveis pelo inimigo e a velocidade pode atingir 11.200 km/h.

    Tags:
    armas hipersônicas, corrida armamentista, Comando Estratégico dos EUA, Cecil Haney, China, Rússia, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik