04:34 21 Outubro 2017
Ouvir Rádio
    Bombardeiro estratégico Tu-95 sendo reabastecido por uma aeronave Il-78

    Irã quer 100 aviões-tanque russos, diz imprensa de Israel

    © Sputnik/ Mikhail Klimentyev
    Defesa
    URL curta
    53303453

    Na última semana, o Irã fez um pedido de aviões-tanque russos para reabastecer suas aeronaves durante voos, ampliando o alcance dos caças iranianos, afirmou o site israelense de inteligência militar DEBKAfile.

    Segundo o DEBKAfile, a aquisição de 100 aviões-tanque russos IL78 MKIs, que podem reabastecer simultaneamente de seis a oito aviões, colocaria Israel e o resto do Oriente Médio no alcance de um ataque aéreo iraniano.

    Embora o Irã continue sob os efeitos de um embargo armamentista até 2020, segundo o recente acordo nuclear com o P5+1, Moscou bem advogando para suspender o embargo sobre a venda de armas para Teerã.

    Entretanto, o DEBKAfile sugere que mesmo se o Irã continuar sob o regime de sanções, Moscou e Teerã podem assinar um acordo sem violar o acordo nuclear.

    O negócio seria tão vultoso que fabricantes russos não conseguiriam produzir 100 novos aviões-tanque antes de 2020 e, portanto, a transação não constituiria uma violação.

    "A enorme transação militar entre Rússia e Irã, portanto, se apresenta como primeiro teste real do acordo de Viena. Vai depender de se o presidente americano, Barack Obama, ou seu secretário de Estado, John Kerry, quiserem questionar o negócio. Se eles deixarem passar, será um precedente para que a cláusula que estipula o embargo armamentista no acordo nuclear comece a se desfazer", escreveo o DEBKAfile.

    Nem Rússia nem Irã confirmam a negociação.

    Mais:

    Rússia desenvolve sistema de comunicação inédito para futuros caças
    Rússia desloca caças para treinamento na Crimeia
    Caças de Rússia e Bielorrússia fazem exercício de tiro em Buryatia
    Rússia reforça fronteira ocidental com dez caças polivalentes
    Tags:
    avião-tanque, negócio, embargo de armas, Il-78, Irã, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik