01:39 10 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Avión de entrenamiento y combate Yak-130

    Imprensa britânica badala caça russo Yak-130

    © Sputnik / Anton Denisov
    Defesa
    URL curta
    Defesa da Rússia (214)
    2912
    Nos siga no

    O pequeno caça de treinamento Yak-130 pode conduzir operações de contrainsurgência com eficiência. Em breve, pilotos das aeronaves russas T-50 e das americanas F-35 poderão treinar com este modelo.

    O caça russo de quinta geração Sukhoi T-50 FA vem roubando a cena no mundo da aviação, mas a Rússia tem outro avião militar que pode muito bem se tornar objeto de desejo de outros países. A opinião é da revista britânica The Week.

    O Yakovlev Yak-130 é um caça de treinamento avançado de pilotos que replica as características dos aviões de quarta geração como Su-30, MiG-29, Eurofighter Typhoon, Rafale, F-22 e F-35. A aeronave foi construída em 1996 e começou a ser utilizada em 2010.

    O avião tem várias características de destaque. O cockpit tem indicadores digitais, e a aeronave pode voar em todas as condições igualmente aos atuais aviões. Além disso, o Yak-130 consegue decolar até de pequenas pistas de grama. Com o sistema onboard de simulação de combate, é possível treinar combates aéreos, lançamento de mísseis ar-terra, interação com outros aviões e outras opções.



    No entanto, o que mais chamou a atenção da The Week foram suas características de combate e a quantidade de armamentos. O Yak-130 pode carregar toneladas de mísseis ar-ar e ar-terra, bombas de precisão, bombas de queda livre, foguetes e tanques de combustível externos. Além disso,o avião pode ser reforçado com um canhão de 23-mm e mísseis ar-ar.

    A aeronave já vem sendo utilizada pelas forças aéreas da Bielorrússia e da Líbia — países asiáticos e da América Latina estão na fila para adquiri-la.

    Tema:
    Defesa da Rússia (214)

    Mais:

    Caça russo Yak-130 seduz países da América Latina
    Tags:
    caça, Yak-130, Reino Unido, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar