08:44 21 Julho 2018
Ouvir Rádio
    Sistema S-300 lança míssel

    EUA: momento errado para a Rússia vender sistemas S-300 ao Irã

    © Sputnik / Mihail Mokrushin
    Defesa
    URL curta
    0 1934

    O Departamento de Estado dos Estados Unidos afirmou, nesta segunda-feira, que a decisão da Rússia de suspender o embargo à venda de sistemas antiaéreos S-300 ao Irã não viola sanções impostas pelo Conselho de Segurança da ONU ao Irã, mas vem em um momento errado porque o Irã está desestabilizando o Oriente Médio.

    A decisão da Rússia de suspender o embargo à venda de sistemas de misseis antiaéreos S-300VM ao Irã não viola as sanções impostas pelo Conselho de Segurança da ONU a Teerã, mas os Estados Unidos se opõem à medida porque, segundo seu Departamento de Estado, o Irã vem desestabilizando o Oriente Médio. A declaração é da porta-voz do Departamento, Marie Harf.

    "Acreditamos que, dadas as ações desestabilizadoras do Irã em locais como Iêmen, Síria ou Líbano, este não é o momento para vender este tipo de sistemas a eles", disse Harf em entrevista coletiva. "Em termos de sanções do Conselho de Segurança, é do meu entendimento que a venda não constituiria uma violação", completou a porta-voz. Harf observou, entretanto, que os Estados Unidos têm preocupações "quanto a itens independentemente se serem violações ao Conselho de Segurança."

    Nesta segunda-feira, o Presidente Vladimir Putin assinou um decreto suspendendo o embargo imposto em 2010 à venda de sistemas antiaéreos S-300VM, ou Antey-2500, ao Irã. O sistema de mísseis de curto e médio alcance é um dos sistemas mais avançados usados pela Rússia contra mísseis intercontinentais e aeronaves.

    O embargo de 2010 cancelou um contrato assinado em 2007 para a venda do sistema ao Irã — de acordo com a Resolução 1929 do Conselho de Segurança da ONU, que proíbe o fornecimento ao Irã de armas convencionais, incluindo mísseis e sistemas antiaéreos, tanques, helicópteros de ataque, aviões de combate e navios.

    Nesta segunda-feira, o ministro de Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov, disse que a decisão de 2010 foi voluntária e não baseada em requerimentos legais impostos por sanções da ONU. Lavrov observou que o desenho do acordo nuclear alcançado entre potências mundiais e o Irã tornou desnecessário o embargo.

    A Rússia supostamente cancelou o acordo em 2010 sob pressão dos Estados Unidos e de Israel, que se opunham a fornecer ao Irã sistemas de defesa avançados que poderiam combater ataques de Israel ou dos EUA.

    Nesta segunda-feira, o secretário de Estado americano, John Kerry, telefonou a Lavrov para manifestar a insatisfação dos Estados Unidos com a venda dos sistemas S-300. A Casa Branca, por sua vez, negou-se a comentar detalhes específicos das conversas entre EUA e Israel.

    O Ministério da Defesa do Irã e a Organização de Indústrias Aeroespaciais responderam ao cancelamento do acordo em 2010 lançando uma ação judicial no valor de US$ 4 bilhões contra a russa Rosoboronexport em uma arbitragem internacional em uma corte de Genebra, na Suíça, em 2011. Lavrov afirmou nesta segunda-feira que o processo, ainda em andamento, e a perda da receita de 2010, pesaram na decisão russa de suspender o embargo ao Irã.

    Mais:

    Irã se empolga com a suspensão do embargo russo à venda de sistemas antiaéreos S-300
    Vários estados dos EUA vão manter sanções contra Irã apesar do acordo nuclear
    Operação militar no Iêmen pode causar conflitos entre Estados Árabes e Irã
    Tags:
    suspensão, embargo, venda, S-300, Conselho de Segurança da ONU, ONU, Vladimir Putin, Sergei Lavrov, John Kerry, EUA, Irã, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik