09:14 22 Novembro 2017
Ouvir Rádio
    Aleksey Krivoruchko, executivo-chefe da Kalashnikov Concern

    Kalashnikov planeja dobrar produção apesar das sanções

    © REUTERS/ Stringer
    Defesa
    URL curta
    Defesa da Rússia (214)
    0 1802295

    Kalahsnikov é a principal empresa russa desenvolvedora e fabricante de armas de combate, munição de artilharia guiada e uma grande variedade de produtos civis, incluindo espingardas e rifles esportivos, assim como máquinas e ferramentas.

    A Kalashnikov, maior fabricante de armas de pequeno porte da Rússia, está planejando dobrar sua produção anual apesar das sanções do Ocidente, afirmou o diretor geral da empresa nesta terça-feira.

    "Conseguimos completar a capacidade de nossas empresas, aumentar as exportações e a produção para clientes domésticos. Temos pedidos grandes do Ministério da Defesa", disse Alexey Krivoruchko em uma entrevista ao canal de TV Rossiya-24.

    Krivoruchko acredita ainda que sua corporação conseguiria "dobrar a produção em relação a 2014."

    Também neste mês, um porta-voz da Kalashnikov Concern afirmou que a empresa patrocinaria o Campeonato de Rifles Europeu, que será disputado em junho, na Hungria — apesar das sanções.

    Em dezembro do ano passado, o CEO da estatal russa de tecnologia Rostec, Sergey Chemezov, afirmou que a fabricante de armas tinha quase compensado completamente a queda nas vendas causada pelas sanções.

    O Ocidente impôs várias rodadas de sanções a Moscou após a península da Crimeia voltar a fazer parte da Federação Russa após um referendo realizado em março de 2014. As medidas restritivas tinham como alvo os setores energético, bancário e de defesa, assim como certos indivíduos russos.

    Tema:
    Defesa da Rússia (214)

    Mais:

    Os cinco piores clones do AK-47
    Batom e Kalashnikov: mulheres no Exército russo
    O lendário fuzil de assalto Kalashnikov
    Tags:
    sanções, produção, metralhadora Kalashnikov, Kalashnikov Concern, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik