17:42 23 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Cultura
    URL curta
    Por
    7130
    Nos siga no

    A Sputnik Brasil tem o prazer de apresentar ao público brasileiro a comédia "12 Cadeiras", na qual um nobre, um malandro e um padre se unem para encontrar um tesouro perdido na Rússia revolucionária.

    Nesta quarta-feira (29), marcada por crise política no Planalto e crise diplomática entre grandes potências, a Sputnik Brasil convida o leitor a se distrair e assistir a uma boa comédia.

    Em "12 cadeiras", a mulher de um antigo nobre russo, que teve seus bens confiscados pela revolução bolchevique, faz uma confissão em seu leito de morte:

    "Você se lembra da nossa mobília da sala que tínhamos? No forro de uma das cadeiras escondi meus diamantes", revela a mulher ao seu empobrecido marido.

    Um padre, que tomava a extrema-unção da moribunda, ouve tudo, larga a batina e segue em busca da cadeira recheada de brilhantes. Seu marido, Hipólito, faz o mesmo, mas não sem antes contratar um "diretor técnico" para o acompanhar na missão: o camarada Bender.

    Após negociar uma comissão de 40% sobre o valor dos brilhantes, Bender, um verdadeiro malandro soviético, diz que não está na missão por dinheiro, mas por "princípio".

    Personagem Bender ensina o ex-nobre Hipólito a pedir esmolas no filme 12 cadeiras, de Leonid Gaidai
    © Foto / Mosfilm (1971)
    Personagem Bender ensina o ex-nobre Hipólito a pedir esmolas no filme "12 cadeiras", de Leonid Gaidai

    A história, baseada em livro homólogo de Ilya Ilf e Yevgeny Petrov, inspirou as adaptações no Brasil, com o ator Oscarito no papel do malandro Bender, e nos EUA, adaptada pelo renomado diretor Mel Brooks.

    "Gosto muito da trama e acho genial a construção dos personagens alegóricos: o malandro, o nobre e o padre", em busca de um tesouro que nenhum deles deveria almejar, disse o diretor Sacha Amaral à Sputnik Brasil.

    Amaral notou a "representação expressiva" do nobre Hipólito, que não se conforma com seu novo status na Rússia soviética e "sonha com a sua vida de rico em Paris, comendo caviar".

    Personagem Bender seduz mulher na comédia 12 cadeiras, de Leonid Gaidai
    © Foto / Mosfilm (1971)
    Personagem Bender seduz mulher na comédia "12 cadeiras", de Leonid Gaidai

    Como todas as comédias do diretor Leonid Gaidai, "12 cadeiras" (1971) é um filme leve, mas rico em referências à cultura russa e soviética.

    "Os personagens secundários são muito engraçados, como um casal que se torna vegetariano por não ter dinheiro para comprar carne", comentou Amaral. Os recém-casados "discutem se Lev Tolstói comia carne enquanto escrevia o livro 'Guerra e Paz'".

    Cena do filme 12 cadeiras, de Leonid Gaidai
    © Foto / Mosfilm (1971)
    Cena do filme "12 cadeiras", de Leonid Gaidai

    Durante o filme, Amaral tentou desvendar "qual a chave da aliança" entre o malandro Bender e o "camarada de Paris", Hipólito.

    "Os dois  uniram em uma missão conjunta em busca de algo muito valioso, mas não são necessariamente parceiros", avaliou Amaral.

    A comédia "As 12 Cadeiras" foi disponibilizada pela primeira vez no Brasil pelo projeto CPC-Filmes, que, em parceria com os estúdios Mosfilm, reuniu biblioteca completa de filmes russos e soviéticos.

    Monumento em homenagem ao filme 12 cadeiras na cidade russa à beira do rio Volga, Cheboksary
    © Sputnik / Maksim Bogodvid
    Monumento em homenagem ao filme "12 cadeiras" na cidade russa à beira do rio Volga, Cheboksary

    O filme ficará disponível de graça somente nos dias 29 e 30 de abril. Acesse aqui a comédia "12 Cadeiras". A Sputnik Brasil deseja uma ótima sessão de cinema e que você possa ficar em casa durante a quarentena.

    Mais:

    Quarentena com Sputnik Brasil: conheça o Museu Hermitage sem sair de casa
    Quarentena com Sputnik Brasil: filme russo 'Tigre Branco' desvenda mistérios da 2ª Guerra Mundial
    Quarentena com Sputnik Brasil: animações russas nos levam ao lado oculto da Lua
    Tags:
    COVID-19, quarentena, Cinema, cultura
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar