22:18 04 Abril 2020
Ouvir Rádio
    Cultura
    URL curta
    0 50
    Nos siga no

    Uma lápide esculpida há aproximadamente dois mil anos foi descoberta na Guatemala. O objeto milenar aponta indícios sobre a técnica de escrita utilizada pelos maias.

    A lápide, numerada 87, foi descoberta em setembro de 2018 no sítio arqueológico de Tak'alik Ab'aj, a 125 quilômetros da capital guatemalteca, Tegucigalpa. O objeto data de aproximadamente 100 anos antes de Cristo, segundo a agência AFP.

    "A grande importância da lápide 87 reside no fato de ser um exemplo do desenvolvimento da escrita na Mesoamérica", explica o especialista alemão Nikolai Grube em uma videoconferência difundida pelo Palácio Nacional da Cultura mexicano, junto ao presidente guatemalteco Alejandro Giammattei.

    Mesmo que não tenha sido possível obter uma "leitura linguística" dos caracteres, o pesquisador esclareceu que a figura na lápide indica um "texto maia precoce".

    Lápide com escritura maia encontrada na Guatemala
    © AFP 2020 / Ministério da Cultura e Esporte da Guatemala
    Lápide com escritura maia encontrada na Guatemala

    O sítio arqueológico Tak'alik Ab'aj foi habitado pelos olmecas e maias. O primeiro destes grupos desapareceu, enquanto os maias seguiram seu desenvolvimento cultural. A arqueóloga guatemalteca Christa Schieber, coordenadora das pesquisas no local, considera que Tak'alik Ab'aj teve um papel fundamental como "laboratório" de "experiências" relacionadas à escrita.

    A civilização maia conheceu seu apogeu entre 250 e 900 anos depois de Cristo na Mesoamérica, região que compreende o sul do México, Guatemala, El Salvador, Honduras e Belize.

    Mais:

    Adaga romana de 2.000 anos é descoberta por estagiário de arqueologia (FOTOS)
    Arqueólogos encontram flecha viking de 1.500 anos em geleira na Noruega (FOTO)
    Arqueólogos acham no Egito 83 tumbas repletas de sarcófagos e peças de barro (FOTOS)
    Tags:
    línguas, arqueologia, Guatemala, lápide, Maia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar