10:45 21 Janeiro 2019
Ouvir Rádio
    Linhas de Nazca, Peru

    Para que serviam os misteriosos desenhos gigantescos no Peru? (FOTO)

    © Foto: monikawl999/Pixabay
    Cultura
    URL curta
    261

    Cientistas dos EUA e do Canadá chegaram à conclusão de que os misteriosos geoglifos de Nazca, no Peru, serviam como templos "rodoviários" que garantiam a segurança durante as viagens das pessoas pelo planalto, anunciou a revista Antique.

    Segundo o jornal, os geoglifos são grandes figuras traçadas no chão (geralmente com mais de quatro metros de extensão), em morros ou regiões planas. As linhas e geoglifos de Nazca são desenhos geométricos gigantes, que foram traçados no planalto de Nazca até aproximadamente o século XII. Hoje, os cientistas conhecem 30 desenhos de animais e objetos, além de centenas de figuras e linhas.

    Devido ao seu grande tamanho, os geoglifos só podem ser vistos do céu. Ao longo do tempo, surgiram várias teorias sobre a razão de ser destes desenhos, incluindo terem funções rituais ou astronômicas.

    Os misteriosos desenhos gigantescos no Peru
    Os misteriosos desenhos gigantescos no Peru
    Os especialistas estudaram os geoglifos no vale do rio Sihuas, bem como as trilhas antigas próximas, usando um veículo aéreo não tripulado e através de reconhecimento terrestre.

    Com base nos dados obtidos, eles realizaram uma análise e modelagem de simulação. Descobriu-se que as trilhas e os geoglifos, muito provavelmente não estavam localizados aleatoriamente entre si, mas, ao contrário, estão intimamente relacionados.

    Segundo os pesquisadores, os geoglifos serviram como templos "rodoviários" que garantiam a segurança dos antigos peruanos durante suas viagens pelos pampas.

    Mais:

    No Peru, é recuperado um dos geoglifos 'mais enigmáticos e antigos' (FOTOS)
    História da pesquisadora alemã que dedicou sua vida às enigmáticas Linhas de Nazca (FOTOS)
    Tags:
    ritual, geoglifos, pesquisadores, misterioso, Peru, Canadá, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik