01:51 22 Abril 2018
Ouvir Rádio
    Tesouro, imagem referencial

    Os tesouros que todos querem: luta entre países para recuperar seu patrimônio

    CC0 / Pixabay
    Cultura
    URL curta
    450

    São muitos os países que querem recuperar seu patrimônio original e que denunciam outros países de tê-lo adquirido de forma ilegal. São muitos também os que conseguiram recuperá-lo. Sputnik preparou a lista dos grandes tesouros mais disputados.

    "Muitos países estão buscando recuperar alguns patrimônios que saíram do território nacional ilegalmente", disse a Sputnik Mundo Antonio José Rengifo, advogado colombiano especialista neste tema.

    "Não é que o Louvre devolva a Mona Lisa, porque a França adquiriu muito legalmente a obra de Leonardo da Vinci, o que nós estamos pedindo é que os Estados que obtiveram obras de arte ilegalmente as devolvam", explicou o advogado.

    Se trata de uma luta legítima que pretende que os donos originais dos patrimônios nacionais possam reaver seus bens culturais de grande valor.

    Entre os tesouros ainda disputados está o de Quimbaya: 122 peças de ourivesaria, compostas por várias joias. Em 1892, o presidente colombiano Carlos Holguín presenteou esta obra à rainha espanhola de então, María Cristina, mas hoje em dia a Colômbia quer a coleção de volta.

    Dentro dos grandes tesouros que foram devolvidos estão:

    — Em 1983, Itália devolve ao Equador mais de 12.000 objetos pré-colombianos. O caso foi resolvido depois de sete anos de litígio.

    — Em 1987, a República Democrática da Alemanha devolveu à Turquia as 7.000 tabuletas de escrita cuneiforme de Bogazkale (Hattusa). O caso foi resolvido pelo retorno direto dos objetos em questão.

    — Em 1988, os Estados Unidos devolveram à Tailândia o dintel do Templo Phra Narai.

    — Em setembro de 2006, foi acordada a restituição de 13 objetos pelo Museu de Belas Artes de Boston para a Itália, incluindo uma estátua de mármore da imperatriz Sabina, que data do ano 136, e vasos antigos.

    — Em dezembro de 2006, o Museu J. Paul Getty de Los Angeles retornou à Grécia uma coroa funerária helenística de ouro e uma koré (estátua de uma menina). Em virtude de um acordo amigável, o Getty já havia retornado à Grécia, em maio de 2006, um baixo-relevo da ilha de Tassos, datado do século VI antes de Cristo, e uma estela do século IV antes de Cristo.

    — Em janeiro de 2008, os Estados Unidos devolveram à Argélia o busto de Marco Aurélio, o imperador romano, roubado juntamente com outras oito peças arqueológicas do museu de Skikda, em 1996.

    Atualmente, a França também prevê devolver a África os objetos obtidos durante a sua conquista. O presidente da França, Emmanuel Macron, disse em dezembro de 2017 que "a herança cultural africana não pode ser prisioneira dos museus europeus".

    O governo francês se comprometeu a dar carácter prioritário à devolução destes objetos durante os próximos cinco anos, abrindo assim a porta para atender a uma crescente demanda de muitos países que tiveram seu patrimônio saqueado ao longo da história.

    Mais:

    Restos de 'gigante' descobertos em antigo tesouro no Irã
    Tesouro da ‘Atlântida egípcia’ volta a ver a luz
    Foi encontrado túmulo desconhecido do Antigo Egito
    Tags:
    tesouro, patrimônio cultural, Emmanuel Macron, África, França, Colômbia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik