19:27 22 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Grande Esfinge de Gizé no Egito

    Paleontólogos recriaram cabeça de múmia usando impressora 3D

    CC BY 2.0 / Sam valadi / Giza Pyramids & Sphinx - Egypt
    Cultura
    URL curta
    0 21
    Nos siga no

    Historiadores australianos recriaram a cabeça de uma das antigas múmias egípcias, encontrada por acaso no Museu de Melbourne, utilizando técnica de impressão tridimensional, relata a edição LiveScience.

    "Quando encontramos o crânio, dava para perceber que ele estava quase que completo e dentro dele foram encontrados pedaços de tecidos da mortalha. Nós conseguimos fazer uma cópia do crânio da mulher, sem causar danos nem alterando a múmia, que é extremamente importante de acordo com os pesquisadores do museu", disse Varsha Pilbrow da Universidade de Melbourne.

    Desde a criação da paleontologia, em meados do século 19, pesquisadores e pessoas comuns se perguntam sobre a aparência de animais já extintos e quão bonitos ou feios eram os governantes do mundo antigo.

    Inicialmente as tentativas de restauração dos ossos do crânio e do corpo eram extremamente imprecisas. Apenas em meados do século 20, graças ao trabalho do antropólogo soviético, Mikhail Gerasimov, foi descoberto um método científico mais preciso de restauração facial.

    ​Cientistas australianos recriaram o crânio da múmia usando uma impressora tridimensional. Em seguida, utilizando os princípios de Gerasimov, eles reconstruíram os músculos do crânio, e criaram a pele, os olhos, a boca e outras partes da cabeça. Depois da conclusão do trabalho, descobriu-se que a egípcia morreu aos 25 anos, que foi chamada pelos pesquisadores de Meritamun. Aparentemente, ela era uma mulher nobre, pois recebeu a dádiva da "vida eterna" quando mumificada.

    Mais:

    Poderá ser Sardenha a Atlântida perdida? (VÍDEO)
    'Atlântida da Crimeia' ou como é a antiga cidade submersa de Acra
    Tags:
    paleontologia, arqueologia, Egito, Austrália
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar