00:49 23 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    280
    Nos siga no

    Na passada sexta-feira (8), o astronauta francês Thomas Pesquet capturou algo surpreendentemente a bordo da Estação Espacial Internacional (EEI).

    O clarão de luz azul tinha um aspecto assustador, mas não causou qualquer dano. Na verdade, a maioria das pessoas nunca teria notado o evento, de acordo com o Science Alert.

    O que o astronauta francês registrou foi um "evento luminoso transitório" - um fenômeno parecido com um relâmpago que atinge a camada superior da atmosfera. Este tipo de relâmpago parece diferente dos que ocorrem nas nuvens de tempestade e abaixo delas, sendo muito maior que eles, relata o portal Gizmodo.

    Há, no entanto, "relâmpagos azuis" que acontecem mais abaixo na estratosfera, durante trovoadas. Se o raio se propaga através da região com carga negativa, no topo das nuvens de trovoada, antes de atravessar a região positiva abaixo, ele acaba batendo para cima, provocando um brilho azul de nitrogênio molecular.

    O clarão azul capturado pelo astronauta francês Thomas Pesquet é acontecimento raro conhecido como evento luminoso transitório
    O clarão azul capturado pelo astronauta francês Thomas Pesquet é acontecimento raro conhecido como "evento luminoso transitório"
    "O que é fascinante neste relâmpago é que há apenas algumas décadas, eles tinham sido observados por pilotos, e os cientistas não estavam convencidos de que [tais fenômenos] realmente existissem", explicou Pesquet, citado pelo Science Alert.

    Estes eventos são particularmente difíceis de fotografar a partir do solo, pois ocorrem a altitudes muito elevadas, e são também ocultados por nuvens de tempestade. Além disso, tais fenômenos geralmente duram apenas milissegundos ou alguns segundos de cada vez.

    Há, de igual modo, sprites vermelhos (perturbações estratosféricas/mesosféricas resultantes de eletrificação por trovoada intensa), que são descargas elétricas ocorrendo muito acima da trovoada; e ELVES vermelhos ligeiramente mais fracos (emissão de luz e perturbações de frequência muito baixa devido a fontes de pulso eletromagnético) na ionosfera.

    Mais:

    Simulações sugerem que pode haver planeta do tamanho da Terra ou Marte além da órbita de Netuno
    Tempestades de areia avançam pelo Brasil: como podemos evitar os perigos e nos proteger?
    Estudo de ondas sísmicas sugere que o núcleo interno da Terra pode não ser sólido
    Tags:
    astronauta, clarão, azul, fenômeno astronômico, Terra, tempestade, atmosfera
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar