10:36 22 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 90
    Nos siga no

    Um esqui pré-histórico de 1.300 anos foi encontrado em uma geleira de 1.000 metros de altura no Parque Nacional Reinheimen, no centro da Noruega.

    A descoberta recente combina com outro esqui pré-histórico encontrado em 2014, resultando no par completo de esquis mais bem conservados no mundo, informou a emissora NRK.

    Os esquis têm 187 centímetros de comprimento e quase 17 centímetros de sua maior largura. São feitos de bétula, conforme os arqueólogos.

    ​Durante os sete anos desde então, nós monitoramos a camada de gelo, esperando e rezando para que o segundo esqui do par degelasse. Agora aconteceu! O novo esqui está ainda melhor preservado do que o primeiro! É um achado incrível.

    O segundo esqui foi encontrado a apenas cinco metros do local onde foi feita a primeira descoberta. Os arqueólogos usaram um machado de gelo, uma ferramenta que é raramente usada em escavações arqueológicas.

    "Isso é incrivelmente raro e percebemos imediatamente que estamos à beira de algo muito especial", disse à NRK o arqueólogo Espen Finstad. "Isso é história mundial. Agora temos um par de esquis inteiro com presilhas."

    Finstad disse que a descoberta coloca várias questões: o que aconteceu ao esquiador? Quem era ele? Por que deixou seus esquis tão alto nas montanhas? Aconteceu um acidente?

    O arqueólogo sublinhou que nesta região havia vias de tráfego conhecidas. Ele sugeriu que o esquiador poderia ter sido um caçador.

    Mais:

    Caverna recém-descoberta em Gibraltar pode lançar luz sobre vida dos neandertais (FOTO)
    Dois cientistas recebem Nobel de Química de 2021 por 'desenvolvimento de organocatálise assimétrica'
    Pesquisadores desenterram no Líbano complexo de templos do período romano (FOTOS)
    Descoberta bactéria que pode dizimar mosquitos portadores de dengue
    Tags:
    Noruega, montanha, gelo, cientistas, descoberta, esqui, geleira
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar