09:15 22 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    292
    Nos siga no

    Biólogos dos EUA encontraram um gene em macacos e ratos cuja mutação pode bloquear o HIV, ebola e outros vírus perigosos. Os humanos também têm este gene, mas sem mutações. Caso os cientistas consigam modificá-lo, será um grande avanço na luta contra as infecções.

    Pesquisadores norte-americanos descobriram que os ratos e macacos têm uma versão modificada do gene CHMP3, chamada de retroCHMP3, que codifica uma proteína que bloqueia a capacidade do vírus de se disseminar a partir de uma célula infetada e assim evitar a infecção de células vizinhas, conforme um estudo na revista Cell.

    Trata-se do HIV, ebola e outros vírus, que se introduzem nas membranas plasmáticas e depois se separam da célula hospedeira, se espalhando pelo corpo. O retroCHMP3 prolonga este processo por um bom tempo, para o vírus não se reproduzir e morrer.

    "Esta foi uma descoberta inesperada. Ficamos surpresos com o fato de uma pequena desaceleração de nossa biologia celular anular a replicação dos vírus", disse o autor principal do estudo, Nels Elde.

    Usando ferramentas genéticas, os pesquisadores criaram uma variante modificada do gene CHMP3, depois infetaram uma cultura celular com o HIV e descobriram que, após isso, o vírus teve dificuldade em se separar das células.

    A conclusão é que versão modificada do gene CHMP3 evitou com sucesso a separação das células infetadas pelo HIV. Os pesquisadores esperam que as versões modificadas de genes confiram um novo tipo de imunidade que pode proteger de ameaças de curto prazo.

    Mais:

    Cientistas descobrem por que algumas pessoas são totalmente imunes à COVID-19
    Cientistas de Wuhan queriam infectar morcegos com coronavírus em 2018, diz mídia
    Encontrada ligação entre COVID-19 grave e autoanticorpos que atuam contra tecidos do próprio corpo
    Morcegos das cavernas de Laos podem revelar origem da COVID-19
    Tags:
    vírus, genes, cientistas, macaco, rato
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar