02:52 23 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 30
    Nos siga no

    Os cientistas identificaram um fóssil descoberto no sul da Austrália como uma das espécies de ave de rapina mais antiga do mundo.

    Em um estudo publicado na terça-feira (28), citado pela agência de notícias Xinhua, uma equipe de paleontólogos da Universidade de Flinders revelou que o fóssil de águia encontrado em 2016 pertence a uma nova espécie datada de 25 milhões de anos, do período Oligoceno.

    De acordo com a líder do estudo, Ellan Mather, a nova espécie, nomeada Archaehierax sylvestris, possui patas de 15 centímetros.

    "Esta espécie era ligeiramente menor e mais leve que a águia-audaz, mas é a maior águia conhecida deste período na Austrália", afirmou.

    Representação artística da nova espécie descoberta, Archaehierax sylvestris, que é uma das aves de rapina mais antigas do mundo
    Representação artística da nova espécie descoberta, Archaehierax sylvestris, que é uma das aves de rapina mais antigas do mundo

    A especialista também explica que as patas de 15 centímetros poderiam permitir à ave agarrar grandes presas.

    Mais de 60 ossos foram recolhidos, tornando este um dos restos melhores conservados já encontrados no lago Pinpa.

    "O fóssil revela que as asas da Archaehierax eram curtas para seu tamanho, muito parecidas com a espécie de águias que habitam as florestas atualmente. Suas patas, em contraste, eram relativamente longas e davam um alcance considerável", afirmou Mather.

    Estas características sugerem que a Archaehierax era ágil, mas não voava rapidamente e se parecia com um caçador de emboscada.

    Mais:

    Campo magnético da Terra poderia ajudar na datação de artefatos arqueológicos, diz estudo
    Arqueólogos encontram enorme sítio neolítico de 5 mil anos em ilha escocesa (FOTOS)
    Arqueólogos revelam maior ídolo de madeira já encontrado na Irlanda (FOTOS)
    Tags:
    arqueologia, arqueólogo, arqueólogos, Austrália, águia, descoberta
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar