23:28 22 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    Coronavírus no mundo no final de setembro de 2021 (12)
    8255
    Nos siga no

    Taxa de anticorpos entre as pessoas completamente vacinadas cai mais rápido do que os pesquisadores pensavam antes, conforme conclusões de amplo estudo realizado na Suécia.

    No total, mais de 2.000 funcionários de saúde foram incluídos na pesquisa, cujo objetivo era saber mais sobre a imunidade após a COVID-19 e o efeito de vacinação, em particular, o tempo que a imunidade permanece.

    Para as pessoas vacinadas com a Pfizer e que não tinham sido infectadas com a COVID-19, os níveis de anticorpos se reduziram a metade após três meses. Depois de sete meses, só 15% das taxas iniciais permaneceram – um declínio de 85%, relatou a emissora sueca SVT.

    Como o pessoal que recebeu a vacina AstraZeneca recebeu a vacina de reforço mais tarde, os pesquisadores só puderam acompanhar estas pessoas por três meses. No entanto, o declínio foi ainda mais acentuado. Após apenas três meses, as pessoas vacinadas contra a AstraZeneca tinham apenas um quinto dos níveis de anticorpos dos vacinados com a Pfizer.

    "Os baixos níveis significam que podemos ter uma maior propagação [da infecção], mesmo em grupos vacinados, e isso pode ter consequências para nossos idosos. Isso é preocupante e indica que os idosos e frágeis devem receber uma terceira dose de reforço o mais cedo possível", disse a líder do estudo, Charlotte Thalin.

    A emissora descreveu as novas conclusões como um elemento para entender o "mistério" por que a Suécia e outros países altamente vacinados estão agora vendo mais e mais infecções, mesmo entre os que foram vacinados com duas doses.

    Frascos com rótulos das vacinas Pfizer/BioNTech e Moderna contra o SARS-CoV-2 em 19 de março de 2021
    © REUTERS / Dado Ruvic
    Frascos com rótulos das vacinas Pfizer/BioNTech e Moderna contra o SARS-CoV-2 em 19 de março de 2021

    Conforme explica Charlotte Thalin, nosso sistema imune "também contém células de memória que complementam rapidamente os níveis de anticorpos quando estamos expostos ao vírus e não sabemos exatamente onde está o limite para ficarmos infectados ou doentes".

    A Suécia, com mais de 10 milhões de habitantes, já vacinou mais de 63% de sua população. Famosa por não introduzir quaisquer isolamentos mesmo no auge da pandemia, ao contrário de seus vizinhos, o país cancelou ontem (29) as últimas restrições em seu território.

    Tema:
    Coronavírus no mundo no final de setembro de 2021 (12)

    Mais:

    Infectologista explica de que depende nível de anticorpos após vacinação
    Nova cepa Mu da COVID-19 poderia resistir à proteção de certos anticorpos, segundo Anthony Fauci
    Todos vacinados com Sputnik V desenvolvem anticorpos contra COVID-19, conclui estudo argentino
    Tags:
    vacina, vacinação, anticorpos, Suécia, pesquisa, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar