10:35 25 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 50
    Nos siga no

    Um fóssil de réptil marinho de dezenas de milhões de anos, encontrado nos anos 1970, foi reanalisado, com uma das questões sendo a razão de sua raridade.

    Paleontólogos descobriram que um réptil marinho, que viveu há 80 milhões de anos, pertencia a um gênero diferente do que se pensava, relatou na sexta-feira (10) o portal Live Science.

    A cabeça do E. everhartorum foi descrita como tendo 60 centímetros de comprimento e um focinho estreito e alongado em comparação com os de outros mosassauros.

    Crânio, esqueleto axial parcial e apendicular e cartilagem esternal calcificada em vista ventro-lateral oblíqua de Ectenosaurus
    Crânio, esqueleto axial parcial e apendicular e cartilagem esternal calcificada em vista ventro-lateral oblíqua de Ectenosaurus

    O fóssil do monstro marinho foi descoberto nos anos 1970 no ocidente do estado de Kansas, EUA, uma área que era um oceano, onde costumava nadar, procurando presas com seu focinho esbelto e forrado de dentes. Na época da descoberta foi classificado como pertencendo ao gênero platicarpos.

    No entanto, após revisitá-lo, os cientistas o consideraram como sendo um mosassauro, do gênero Ectenosaurus, um Ectenosaurus everhartorum, sendo que a única outra espécie do gênero conhecida é o Ectenosaurus clidastoides.

    "É uma espécie de focinho magro para pegar o peixe de modo rápido e ágil, em vez de morder em algo duro como conchas de tartaruga", disse Takuya Konishi, paleontólogo de vertebrados e professor assistente na Universidade de Cincinnati, EUA, e coautor do estudo publicado na revista Canadian Journal of Earth Sciences, ao Live Science.

    Havia diferenças com um Ectenosaurus típico, que incluíam a falta de um ressalto ósseo no final de seu focinho, e este também era mais curto que o da espécie E. clidastoides. Para descobrir se era uma nova espécie de Ectenosaurus, os pesquisadores detectaram um pequeno entalhe na extremidade posterior da mandíbula do espécime, que não aparecia em nenhuma espécie de mosassauro exceto uma.

    "Essa pequena depressão acabou se revelando uma característica consistente recentemente descoberta para o gênero Ectenosaurus", disse Konishi.

    Platecarpus dentro d'água, tinha longa cauda para ter uma certa agilidade em suas caçadas, igual que os jacarés atuais
    Platecarpus dentro d'água, tinha longa cauda para ter uma certa agilidade em suas caçadas, igual que os jacarés atuais

    "Você tem este Ectenosaurus unido pelo pequeno entalhe no final do maxilar inferior, mas depois é consistentemente diferente no nível da espécie do tipo genérico, ou seja, da primeira espécie atribuída ao gênero."

    Os cientistas também notaram que só há dois fósseis para os Ectenosaurus, um para cada uma das espécies conhecidas.

    "Isso é muito estranho. Por que é tão raro para um mosassauro, onde você tem centenas de Platecarpus na mesma localização? Isso significará que eles moravam perto da costa, ou moravam mais ao sul ou mais ao norte? Nós simplesmente não sabemos", questionou o cientista.

    Mais:

    Fóssil de 150 milhões de anos descoberto no Chile pertence a 'avô' dos crocodilos modernos (FOTOS)
    Paleontólogos portugueses encontram pegadas raríssimas de crocodilos do período Cretáceo (FOTOS)
    Relíquia do Jurássico: descoberto animal marinho cuja espécie vive há 180 milhões de anos (FOTOS)
    Fóssil de nova espécie de lula-vampira-do-inferno revela segredos de 120 milhões de anos (FOTO)
    Tags:
    Live Science, EUA, Kansas, Período Cretáceo
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar