22:00 23 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 41
    Nos siga no

    Cientistas austríacos tentaram explicar como pôde se desenvolver a vida na Terra sem calor suficiente, produto de um "jovem Sol".

    A chave para resolver o mistério reside, segundo os cientistas, nos gases do efeito estufa, altamente perigosos nos dias de hoje.

    No século XX, os astrônomos estabeleceram que as estrelas, incluindo o Sol, brilhavam de maneira diferente ao longo de sua vida, quanto mais jovens, menos resplandeciam, e vice-versa.

    Os trabalhos científicos demonstraram que há 3,77 bilhões de anos, no momento do nascimento da vida na Terra, o Sol brilhava 75% menos que hoje, o que não era suficiente para manter a água em estado líquido, componente indispensável para o desenvolvimento da vida. No entanto, não encontraram no planeta sinais de eras do gelo por esse motivo.

    Essa "regularidade" foi descrita pela primeira vez por Carl Sagan e George Mullen em 1972, e foi denominada como "o paradoxo do jovem Sol fraco".

    Desde então, muitos cientistas trataram de resolver um dos principais mistérios da correlação entre a Terra e a única estrela em nosso sistema planetário. Na maioria das vezes, o paradoxo foi explicado por fatores astrofísicos ou pela composição da atmosfera do Planeta Azul.

    Cientistas da Universidade de Viena e da Academia Austríaca de Ciências tentaram explicar a manutenção da água líquida na Terra pelo alto nível de dióxido de carbono e gás nitrogênio na atmosfera de nosso planeta.

    Para o cálculo de porcentagem de CO2 e N2 na atmosfera, os cientistas se basearam na atividade dos raios ultravioleta do Sol, considerando que são absorvidos ativamente por esses gases de efeito estufa.

    Dado o nível da atividade solar, os cientistas austríacos calcularam que, para combater os raios ultravioletas, a porcentagem mínima de gases de efeito estufa era de aproximadamente 40%.

    Tal composição do ar no planeta também permitiu manter a temperatura necessária para que houvesse água líquida. Em comparação, atualmente há apenas 0,04% de CO2 no ar, supostamente mil vezes menos que no início da história do planeta.

    Mais:

    Negócio da China: novo material 10 vezes mais barato é criado para baterias de estado sólido
    Vento solar de 400 km/s causa fissura no campo magnético da Terra, diz portal (FOTO)
    Revelado mecanismo de aquecimento de Júpiter até temperaturas altas apesar de estar longe do Sol
    Tags:
    Sol, estudo, estudos, cientistas, jovens cientistas, astrônomo
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar