20:05 16 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0111
    Nos siga no

    Uma equipe de pesquisadores egípcios descobriu um fóssil, de 43 milhões de anos, de uma baleia anfíbia de quatro patas anteriormente desconhecida, o que poderia ajudar a rastrear a transição da espécie entre a terra e o mar.

    Conforme a Reuters, o espécime foi localizado na depressão de Fayum, deserto ocidental do país, composto por uma área rochosa que antigamente estava coberta pelo mar.

    Com base nas informações, foi estabelecido que a espécie, chamada Phiomicetus anubis, tinha um comprimento estimado de três metros e uma massa de aproximadamente 600 quilos.

    ​Na quarta-feira (25), os cientistas afirmaram ter descoberto um fóssil de 43 milhões de anos de uma espécie até então desconhecida de baleia anfíbia de quatro patas no Egito, que ajuda a traçar a transição da terra para o mar .

    As particularidades de seu esqueleto, parcialmente preservado, indicam que era uma baleia protocetídica primitiva.

    "A La Phiomicetus anubis é um novo tipo de baleia-chave e uma descoberta crítica para a paleontologia egípcia e africana", afirmou Abdullah Gohar, do Centro de Paleontologia de Vertebrados da Universidade de Mansoura, Egito.

    Apesar da descoberta, o panorama geral da evolução primitiva das baleias na África segue sendo um grande mistério, observou Mohamed Sameh, da Agência Egípcia de Assuntos Ambientais e coautor do estudo.

    O antepassado das baleias e dos golfinhos era um animal terrestre que passou da terra para o mar há cerca de 50 milhões de anos. Essa transição implicou transformações anatómicas, morfológicas e comportamentais.

    Mais:

    Descoberta de fóssil de espécie humana antiga aponta para peculiar processo evolutivo (FOTOS)
    Tartaruga de quase 100 milhões de anos tem fóssil raro descoberto nos EUA
    Cientistas descobrem por acaso fóssil raro de 2 milhões de anos na Tanzânia (FOTO)
    Tags:
    baleias, fóssil, descoberta, arqueologia, arqueólogo, arqueólogos, Egito
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar