23:21 24 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 71
    Nos siga no

    Uma nova imagem capturada pelo telescópio Hubble da NASA/ESA, nos oferece um olhar detalhado de um aglomerado espacial aberto conhecido como NGC 2164.

    Os aglomerados abertos são grupos soltos de dezenas a milhares estrelas. Estes objetos são denominados desse jeito devido ao fato de que estrelas individuais tendem a ser facilmente observadas através de um telescópio, informa a revista Science News.

    As estrelas em um aglomerado aberto têm a mesma origem, tendo-se todas formado na mesma nuvem molecular inicial.

    Considerando sua estrutura aberta e difusa, os aglomerados em causa são instáveis, e as estrelas que os constituem tendem a se dispersar em poucos milhões de anos.

    Por essa razão, elas são encontradas em galáxias espirais e irregulares, onde novas estrelas estão sendo formadas, mas não em galáxias elípticas, que não estão produzindo novas estrelas e nas quais qualquer aglomerado aberto teria se quebrado há muito tempo.

    Imagem de aglomerado aberto NGC 2164 capturada pelo Telescópio Espacial Hubble
    Imagem de aglomerado aberto NGC 2164 capturada pelo Telescópio Espacial Hubble

    O NGC 2164, também conhecido como ESO 57-62 ou BMG 191, é um jovem aglomerado aberto na parte sul da constelação Dorado.

    "O NGC 2164 está localizado dentro de um dos vizinhos mais próximos da Via Láctea - a galáxia satélite conhecida como a Grande Nuvem de Magalhães [...] É considerada uma galáxia satélite porque está gravitalmente ligada à Via Láctea", explicaram os astrônomos do Hubble, citados na matéria.

    De igual modo, os especialistas também referiram que "o NGC 2164 está bem acompanhado pela Grande Nuvem de Magalhães — a galáxia satélite contem cerca de 700 aglomerados abertos, junto com outros 60 aglomerados globulares", citados pela Science News.

    O corpo celeste em estudo, foi descoberto pela primeira vez em 27 de setembro de 1826 pelo astrônomo escocês James Dunlop.

    Mais:

    'Berçário de estrelas' é registrado pelo telescópio Hubble na constelação de Gêmeos (FOTO)
    Campo magnético de curta duração da Lua pode estar 'morto' há 4 bilhões de anos, revela estudo
    Fenômeno 'inesperado' que acelera a perda de água em Marte é revelado
    Tags:
    Hubble, NASA, Agência Espacial Europeia (ESA), estrelas, Via Láctea, galáxias, astronomia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar