07:20 16 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0161
    Nos siga no

    Há 66 milhões de anos, um objeto de 9,6 quilômetros de diâmetro chocou com a Terra, desencadeando uma série de eventos cataclísmicos que resultaram na extinção em massa de dinossauros. Agora os cientistas dizem já saber de onde veio o asteroide.

    O impacto foi causado por um gigantesco asteroide primitivo escuro, proveniente da faixa externa da cintura de asteroides do Sistema Solar, localizada entre Marte e Júpiter, segundo o novo estudo publicado na revista Icarus.

    Essa região é o lar de asteroides escuros, rochas espaciais com uma composição química que as faz parecer mais escuras (refletindo pouca luz) em comparação com os outros tipos de asteroides.

    "Eu suspeitava que a metade externa da cintura de asteroides, onde estão os asteroides primitivos escuros, poderia ser uma fonte importante dos impactos terrestres", disse o chefe do estudo, David Nesvorny.

    Anteriormente, os pesquisadores encontraram pistas sobre a extinção de dinossauros na cratera de Chicxulub no México, de 145 quilômetros de diâmetro, deixada pela colisão do objeto. Os cientistas tentaram várias vezes descobrir a origem do asteroide que causou a cratera de impacto, mas não conseguiram.

    Durante a nova pesquisa, os cientistas desenvolveram um modelo computacional para ver com que frequência os asteroides da cintura principal escapam em direção à Terra e se um deles poderia ter sido responsável pelo desaparecimento dos dinossauros.

    Cratera de Chicxulub no México
    © Foto / Wikipedia
    Cratera de Chicxulub no México

    Simulando as centenas de milhões de anos, o modelo mostrou que forças térmicas e gravitacionais de planetas periodicamente jogam grandes asteroides para fora da cintura.

    Em média, um asteroide de mais de 14 quilômetros de diâmetro que esteja na faixa externa do cinturão é jogado para fora, em rota de colisão com a Terra, uma vez a cada 250 milhões de anos, descobriram os cientistas.

    Estes cálculos mostram que tal evento é cinco vezes mais comum do que se pensava anteriormente e consistente com a cratera de Chicxulub, formada há 66 milhões de anos, sendo a única conhecida feita por um asteroide tão grande nos últimos 250 milhões de anos.

    Além disso, o modelo analisou a distribuição de asteroides escuros e claros no cinturão principal e revelou que metade dos asteroides expulsos eram condritos carbonáceos escuros, o que corresponde aos dados da cratera de Chicxulub.

    Mais:

    Observatórios espaciais revelam FOTO de buraco negro rodeado de anéis gigantes de poeira
    Cientistas dos EUA descobrem enorme zona morta no golfo do México (FOTO)
    NASA registra 'sinfonia' de estrelas gigantes vermelhas
    Médico explica em que cenário COVID-19 se torna incapaz de afetar o organismo
    NASA descobre estela a 30 anos-luz que parece 'versão jovem' do Sol (FOTO)
    Tags:
    dinossauro, asteroide, cratera, Terra, Júpiter, Marte
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar