08:16 16 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 50
    Nos siga no

    Da posição da Terra dentro da Via Láctea, muito de seu tamanho, conteúdo e estrutura são realmente difíceis de decifrar. Entretanto, com as tecnologias cada vez mais avançadas, descobertas como essa ajudam a montar o quebra-cabeça do Universo.

    Segundo um estudo publicado no The Astrophysical Journal, astrônomos detectaram uma enorme trilha de gás na borda de nossa galáxia chamada Taboa. 

    A gigante recém-descoberta está localizada a 71.754 anos-luz do centro da Via Láctea, e os astrônomos dizem que pode ser um braço espiral anteriormente não identificado.

    Taboa foi encontrada usando um radiotelescópio esférico de abertura de 500 metros, enquanto os pesquisadores procuravam por nuvens de hidrogênio neutro atômico em uma região do céu localizada 4.566 anos-luz de distância do Sol.

    Os autores do estudo detectaram um corpo de gás viajando a uma velocidade média de 150 quilômetros por segundo. A princípio, eles calcularam que a estrutura tem 3.588 anos-luz de comprimento, tornando-a o maior e mais distante filamento gigante da galáxia conhecido até agora.

    Após comparação de dados, foi percebido que o filamento colossal é na verdade muito maior do que as estimativas iniciais, com um comprimento 16.310 anos-luz.

    Embora Taboa possa ser simplesmente um filamento de gás superdimensionado, ela não segue muitas das regras que essas estruturas tendem a obedecer. 

    Portanto, os astrônomos continuarão a pesquisar para ter a certeza se essa descoberta faz parte da Via Láctea, sendo um dos seus braços, ou se é uma estrutura gigante externa.

    Mais:

    'Nuvem solitária' maior que Via Láctea é descoberta a 300 milhões anos-luz da Terra (FOTO)
    'O que é isto?': estudo revela rara estrela 'piscante' no centro da Via Láctea
    Astrônomos encontram moléculas necessárias para a vida na periferia da Via Láctea
    Tags:
    Via Láctea, Universo, NASA, radiotelescópio, espaço
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar