20:33 23 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    Mundo vs. COVID-19 no final de julho de 2021 (25)
    0 50
    Nos siga no

    A equipe recorreu às células epiteliais do trato respiratório de animais mortos para evitar infectar seres vivos. A pesquisa também teve intenção de pressionar a redução de testes de laboratórios com animais.

    Um grupo de cientistas suíços, alemães e costarriquenhos determinou que os macacos-rhesus e gatos são os animais mais suscetíveis ao coronavírus. Os resultados de sua pesquisa, desenvolvida graças a uma coleção de modelos celulares avançados, foram publicados este mês na revista Emerging Infectious Diseases.

    "Nossas descobertas, juntamente com relatórios de eventos de transbordamento previamente documentados, indicam que o monitoramento próximo desses animais e outros parentes próximos é necessário, quer vivam na natureza, em cativeiro ou em casas", diz um comunicado da Universidade de Berna citando Ronald Dijkman, um dos autores do estudo.

    Um experimento sem animais vivos

    Para chegar a essas conclusões sem a necessidade de infectar seres vivos, a equipe de pesquisa recorreu às células epiteliais do trato respiratório de animais mortos. No total, eles usaram amostras de doze espécies diferentes de mamíferos: furões, macacos-rhesus, gatos, cães, coelhos, porcos, bovinos, caprinos, lhamas, camelos e duas espécies de morcegos.

    Gato (imagem referencial)
    Gato (imagem referencial)

    O estudo revelou que macacos e gatos apresentaram um aumento de quatro vezes na carga de RNA viral. Ao sequenciar o genoma viral, observou-se que a COVID-19 se replicou nos modelos in vitro desses mamíferos sem a necessidade de adaptação. Em contraste, nas células dos outros dez animais "um nível contínuo ou decrescente de carga de RNA viral foi detectado ao longo de todo o curso do tempo", conforme esclarecido na investigação.

    Além de servir de referência no que diz respeito à prevenção da disseminação de novas cepas do coronavírus em animais e sua possível transmissão ao homem, o estudo tem outra implicação importante, já que a utilização do banco biológico baseado em células já mortas, podem reduzir o número de experimentos com animais.

    "Espero que, para questões de pesquisa básica fundamental, nossos resultados convençam os pesquisadores, empresas farmacêuticas e agências de administração de medicamentos a usar modelos in vitro avançados biologicamente relevantes antes de conduzir experimentos com animais", disse Dijkman.
    Tema:
    Mundo vs. COVID-19 no final de julho de 2021 (25)

    Mais:

    OMS conclui que COVID-19 saltou de morcegos para humanos através de outro animal
    OMS confirma possibilidade de transmissão da COVID-19 de humanos para gatos, cães e outros animais
    Vacinação de animais de estimação contra COVID-19 começa em algumas regiões da Rússia
    Tags:
    animais, macaco, gato, vulnerabilidade, laboratório, infecção, infectados, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar