11:15 05 Agosto 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 150
    Nos siga no

    Cientistas da Dinamarca fornecem resultados de uma nova análise do intestino e a última refeição do Homem de Tollund. Ele pode ter sido um sacrifício humano depositado em um pântano dinamarquês na Idade do Ferro.

    O famoso Homem Tollund comeu uma refeição modesta, mas nutritiva, antes de ser enforcado por volta de 400 a.C. Ele teria comido peixe e mingau contendo várias sementes, segundo os cientistas que examinaram o intestino do cadáver naturalmente mumificado encontrado em um pântano na península da Jutlândia, na Dinamarca, em 1950.

    A nova análise, publicada na revista Antiquity, revela que ele provavelmente consumiu os alimentos entre 12 e 24 horas antes de sua morte. Embora pareça bastante comum, os resíduos da debulha contendo as sementes silvestres foram usados ​​como ingrediente no mingau, o que sugere práticas rituais.

    Fotomicrografia do conteúdo intestinal do Homem de Tollund
    Fotomicrografia do conteúdo intestinal do Homem de Tollund
    Eles também descobriram que o Homem Tollund tinha várias infecções parasitárias - provavelmente porque ele consumiu carne mal cozida e água contaminada em algum momento antes de morrer.

    O Homem Tollund permaneceu incrivelmente bem preservado ao longo de mais de 2 mil anos nas condições únicas de um pântano de turfa natural.

    O Homem de Tollund
    O Homem de Tollund

    Pesquisas anteriores determinaram que a causa da morte foi assassinato por enforcamento por razões desconhecidas antes de seu corpo ser colocado no pântano.

    O Homem Tollund pode ter sido um criminoso ou possivelmente até mesmo sacrificado como parte de uma prática ritual "para manter os deuses satisfeitos". Quando foi autopsiado em 1950, seus intestinos ainda estavam preservados, e o canal alimentar do estômago ao ânus foi removido inteiro com seu conteúdo ainda no lugar.

    Figura 1. a) Mapa mostrando a localização da descoberta do Homem de Tollund na Dinamarca (contém dados da Agência Dinamarquesa de Geodata); b) Intestino grosso do Homem de Tollund
    Figura 1. a) Mapa mostrando a localização da descoberta do Homem de Tollund na Dinamarca (contém dados da Agência Dinamarquesa de Geodata); b) Intestino grosso do Homem de Tollund

    Agora, especialistas do Museu Silkeborg, na Dinamarca, dizem que conseguiram reconstruir a última refeição do Homem Tollund com mais detalhes do que antes e sugerem até como foi preparada.

    "Como o conhecimento dos macrofósseis de plantas e os métodos para analisar o conteúdo do intestino melhoraram muito desde 1950, decidimos re-investigar o conteúdo do intestino do Homem Tollund", disse a autora do estudo, dra. Nina H. Nielsen, do Museu Silkeborg.

    "Agora podemos praticamente reconstruir a receita da última refeição do Homem Tollund", diz ela, afirmando que a sensação que teve foi de chegar muito perto de uma situação específica da Idade do Ferro, quase que podendo "imaginar" como as pessoas daquela época se sentavam perto da lareira preparando o mingau de cevada e o peixe.

    Reconstrução dos ingredientes da última refeição do Homem de Tollund, mostrada em quantidades relativas aos 140ml existentes de conteúdo intestinal: A) cevada; B) persicária pálida; C) segmentos de ráquis de cevada; D) linho; E) trepadeira-preta; F) galinha gorda; G) areia; H) urtiga de cânhamo; I) ouro-do-prazer; J) espurre de milho; K) amor-perfeito do campo
    Reconstrução dos ingredientes da última refeição do Homem de Tollund, mostrada em quantidades relativas aos 140ml existentes de conteúdo intestinal: A) cevada; B) persicária pálida; C) segmentos de ráquis de cevada; D) linho; E) trepadeira-preta; F) galinha gorda; G) areia; H) urtiga de cânhamo; I) ouro-do-prazer; J) espurre de milho; K) amor-perfeito do campo

    Sua última refeição foi cozida em uma panela de barro, provavelmente usando água de um lago ou pântano, de acordo com os especialistas. O uso de resíduos de debulha contendo persicária clara no mingau pode estar relacionado ao ritual de sacrifício humano, ou pode ter feito parte da culinária comum da Idade do Ferro.

    "Por enquanto, não sabemos se o uso de resíduos de debulha na culinária da Idade do Ferro era uma prática normal ou se esse ingrediente só era usado em ocasiões especiais como sacrifícios humanos", disse o dr. Nielsen.

    Os pesquisadores afirmam que seu estudo "mostra que pode ser benéfico reavaliar o conteúdo do intestino do pântano" para revelar segredos do passado.

    Devido à sua preservação excepcionalmente boa, os corpos dos pântanos podem fornecer informações detalhadas sobre como as pessoas eram, se vestiam e morriam, assim como sua última refeição, sua saúde e onde viveram.

    Mais:

    Cientistas descobrem 1ª múmia de mulher grávida do Antigo Egito (FOTOS)
    Enigma da múmia egípcia: cientistas escaneiam corpo na Itália para saber sua história
    Descobrem em Pompeia carruagem cerimonial única quase inteiramente preservada (FOTOS, VÍDEO)
    Tags:
    pântano, Dinamarca, intestino, alimentação, estudo
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar