12:16 30 Julho 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    1100
    Nos siga no

    O estudo das amostras poderia permitir aos cientistas compreender melhor a evolução do vírus durante séculos.

    Um grupo de cientistas que tem estudado as geleiras descobriu um vírus de quase 15 mil anos em duas amostras obtidas em um planalto tibetano na China.

    O estudo, publicado na revista Microbiome, revela micróbios e vírus diferentes de qualquer outro já identificado e que sobreviveram congelados durante milhares de anos.

    Os resultados do estudo podem permitir uma melhor compreensão da evolução dos vírus ao longo de muitos séculos.

    A equipe de pesquisadores criou um novo método de análises deste tipo de microrganismos no gelo para não contaminar as amostras.

    "Estas geleiras foram formadas gradualmente, e junto com a poeira e os gases, muitos vírus também foram depositados neste gelo", explicou Zhi-Ping Zhong, um dos autores do estudo e cientista do Centro de Pesquisa Polar e Climática Byrd, da Universidade de Ohio, nos EUA.

    Os especialistas analisaram núcleos de gelo obtidos no cume de Guliya, a 6.705 metros acima do nível do mar, no oeste da China, em 2015.

    As amostras possuem camadas de gelo que foram acumuladas a cada ano, apanhando tudo que estava na atmosfera ao seu redor no momento em que as camadas foram congeladas, criando uma espécie de linha do tempo, que os cientistas utilizam para compreender melhor a mudança climática, os micróbios, os vírus e os gases ao longo da história.

    Através da combinação de técnicas de datação novas e tradicionais, os cientistas determinaram a idade do núcleo de gelo obtido como amostra.

    Geleira (imagem referencial)
    Geleira (imagem referencial)

    Durante a análise, foram encontrados códigos genéticos de 33 vírus, quatro dos quais já haviam sido identificados anteriormente. No entanto, ao menos 28 deles são novos.

    De acordo com Matthew Sullivan, coautor do estudo e professor de microbiologia da Universidade de Ohio, "estes vírus possuem características genéticas que os ajudam a infectar células em ambientes frios", que não são fáceis de extrair.

    As análises dos pesquisadores mostraram que os vírus provavelmente tiveram origem no solo ou nas plantas.

    Lonnie Thompson, um dos principais autores do artigo, mencionou que o estudo dos vírus nas geleiras é relativamente novo, porém é uma área da ciência que está se tornando mais importante com a mudança climática.

    Mais:

    Funcionário da OMS ligado ao laboratório de Wuhan agradece Fauci por negar vazamento do vírus
    Fim de uso de máscara? Vacinados com Sputnik V não transmitem vírus, diz desenvolvedor
    'EUA não se importam com fatos', diz Pequim após Biden falar em investigação sobre origem do vírus
    Tags:
    China, cientistas, estudos, estudo, Tibete, vírus
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar