04:52 03 Agosto 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 50
    Nos siga no

    A análise de DNA de uma pata de ovelha mumificada de 1.600 anos encontrada no Irã revelou pistas sobre como vivia o antigo povo do Oriente Médio.

    A descoberta, publicada na revista Biology Letters, ocorreu em uma mina de sal no Irã, a mesma onde oito "homens de sal" mumificados foram descobertos em 1993.

    Uma análise de DNA, liderada por Trinity College Dublin, na Irlanda, revelou que a ovelha era geneticamente semelhante às atuais ovelhas da região, sugerindo que estes animais são descendentes diretos daqueles que viveram no local há 1.600 anos.

    "Utilizando uma combinação de abordagens genéticas e microscópicas, a equipe conseguiu criar uma imagem genética de qual poderia ser a aparência das raças de ovelhas no Irã há 1.600 anos e como poderiam ter sido usadas", afirmou Kevin G. Daly, supervisor do estudo.

    Além disso, a análise revelou que as antigas ovelhas seriam muito diferentes das encontradas nas fazendas norte-americanas na atualidade, já que não possuíam genes associados a uma cobertura de lã, mas sim pelos mais curtos, conforme cita a emissora CTV News.

    ​Perna de ovelha mumificada de 1.600 anos fornece pistas sobre antigas práticas agrícolas.

    Estas ovelhas também possuíam uma cauda mais larga e longa do que outras raças, e por isso são denominadas ovelhas de cauda gorda, raças que são comuns no Oriente Médio.

    Sendo assim, a descoberta mostra que o antigo povo iraniano teria "administrado rebanhos de ovelhas especializadas para consumo de carne, sugerindo práticas pecuárias bem desenvolvidas", afirmou Daly.

    Mais:

    'Sapo zumbi' que emerge da terra é descoberto no Amazonas (FOTO)
    Descobertos 100 buracos negros escondidos no centro de aglomerado estelar
    Igreja de 1.000 anos construída pelo 1º imperador romano-germânico descoberta na Alemanha (FOTOS)
    Tags:
    setor agrícola, estudos, estudo, Irã, descoberta, animal, ovelha
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar