05:26 01 Agosto 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    COVID-19 no mundo em meados de julho de 2021 (18)
    0 102
    Nos siga no

    Novo coronavírus está produzindo mutações muito rápido, com novas variantes sendo detectadas em curtos períodos de tempo à medida que o vírus se replica por várias vezes no organismo da mesma pessoa infetada.

    Atualmente, a variante Delta, detectada pela primeira vez na Índia em outubro de 2020, está a caminho de dominar o mundo devido a sua rápida propagação.

    O caso de uma mulher de 90 anos, que morreu depois de ficar infectada logo com duas variantes de COVID-19, está colocando novas questões sobre o fenômeno raro de infecção dupla, bem como sobre a eficácia das vacinas, escreve Bloomberg.

    Um trabalho de pesquisa, apresentado nesta semana no Congresso Europeu de Microbiologia Clínica e Doenças Infecciosas, revelou que a mulher que tinha duas cepas de coronavírus morreu em março no Hospital OLV, na cidade belga de Aalst.

    A idosa, que não tinha sido vacinada, morava sozinha e recebia cuidados de enfermagem domiciliares. Ela foi internada no hospital com bons níveis de oxigênio, mas acabou por morrer cinco dias mais tarde depois que seus sintomas pioraram rapidamente.

    Um paciente com máscara de oxigênio é levado para dentro de um hospital COVID-19 para tratamento, em meio à disseminação da doença do coronavírus em Ahmedabad, Índia, dia 26 de abril de 2021
    © REUTERS / Amit Dave
    Um paciente com máscara de oxigênio é levado para dentro de um hospital COVID-19 para tratamento, em meio à disseminação da doença do coronavírus em Ahmedabad, Índia, dia 26 de abril de 2021

    Os exames revelaram que ela estava infectada com duas cepas de COVID-19 – a variante Alfa, que foi detectada pela primeira vez no Reino Unido, e a estirpe Beta, descoberta na África do Sul.

    "Na época, ambas as variantes estavam circulando na Bélgica, por isso, é provável que a senhora foi coinfectada com vírus diferentes de duas pessoas diferentes", explicou Anne Vankeerberghen, bióloga molecular do Hospital OLV que estava liderando a pesquisa.

    Segundo a bióloga, a ocorrência global desse fenômeno de infecção dupla foi "provavelmente subestimada" por causa da "testagem limitada a variantes de interesse e da falta de uma maneira simples de identificar coinfecções com sequenciamento do genoma inteiro".

    "Continua sendo crucial estar em alerta para as coinfecções", acrescentou pesquisadora.

    Este caso está levantando questões sobre como as vacinas podem ser eficazes na proteção contra múltiplas variantes de COVID-19 coexistindo no organismo da mesma pessoa.

    A variante Delta, detectada pela primeira vez no ano passado, é atualmente considerada a principal cepa preocupante no mundo devido a sua natureza contagiosa. Ela está se espalhando cerca de 225% mais rápido do que a variante original do SARS-CoV-2.

    Tema:
    COVID-19 no mundo em meados de julho de 2021 (18)

    Mais:

    Estudo detecta 'mudanças significativas' nas células sanguíneas desencadeadas pela COVID-19
    Cientistas identificam novo mecanismo de infecção por coronavírus
    Sintomas diferentes? Infectologista russo revela características da COVID-19 em pessoas vacinadas
    Tags:
    COVID-19, novo coronavírus, Bélgica
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar