13:35 04 Agosto 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    Coronavírus no mundo no início de julho de 2021 (15)
    120
    Nos siga no

    A agência europeia revisou 164 casos de miocardite e 157 casos de pericardite, ligados às duas vacinas baseadas em tecnologia de RNA mensageiro (mRNA).

    O comitê de segurança da Agência Europeia de Medicamentos (EMA, na sigla em inglês) alertou nesta sexta-feira (9) que as vacinas contra COVID-19 produzidas pela Pfizer/BioNTech e pela Moderna podem estar associadas a 321 casos de inflamação cardíaca rara.

    EMA afirma que revisou 164 casos de miocardite (inflamação do músculo cardíaco) e 157 casos de pericardite (inflamação do revestimento externo do coração), ligados às duas vacinas baseadas em tecnologia de RNA mensageiro (mRNA). Os sintomas de ambas as condições incluem falta de ar, dor no peito e palpitações cardíacas.

    "O comitê recomenda, portanto, listar miocardite e pericardite como novos efeitos colaterais nas informações para essas vacinas, juntamente com um alerta para aumentar a conscientização entre os profissionais de saúde e as pessoas que tomam essas vacinas", lê-se no comunicado da EMA divulgado nesta sexta-feira (9).

    O comitê de segurança da agência europeia diz que 145 casos de miocardite foram observados em indivíduos que receberam a vacina Pfizer/BioNTech e 19 entre as pessoas que receberam a vacina Moderna. Além disso, foram observados 138 casos de pericardite após o uso da vacina Pfizer/BioNTech e outros 19 casos observados após a vacinação com a vacina Moderna.

    Mulher recebe vacina da Moderna contra o coronavírus em Roma, na Itália
    © REUTERS / Guglielmo Mangiapane
    Mulher recebe vacina da Moderna contra o coronavírus em Roma, na Itália

    Apesar desses casos, a EMA reforça a importância de que todos se vacinem contra o novo coronavírus.

    "A EMA confirma que os benefícios de todas as vacinas [contra a] COVID-19 autorizadas continuam a superar seus riscos, dado o risco de doença COVID-19 e complicações relacionadas e como a evidência científica mostra que elas reduzem as mortes e hospitalizações devido à COVID-19", afirma o comunicado.

    No total, 177 milhões de doses da vacina Pfizer/BioNTech e 20 milhões de doses da vacina da Moderna foram administradas na União Europeia até 31 de maio.

    Tema:
    Coronavírus no mundo no início de julho de 2021 (15)

    Mais:

    Israel confirma menor eficácia da vacina Pfizer contra cepa Delta e considera aplicação de 3ª dose
    Crescentes evidências sugerem que vacina russa Sputnik V é segura e eficaz, escreve revista Nature
    COVID-19: brasileiros sem cadastro no sistema de saúde de Portugal não conseguem se vacinar; entenda
    Covaxin: negociações da vacina no Brasil envolveram empresa nos Emirados Árabes Unidos
    Tags:
    COVID-19, pandemia, novo coronavírus, Europa, vacina, vacina, vacinação
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar