19:35 02 Agosto 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 0 0
    Nos siga no

    A estrutura estelar conhecida como Mão de Deus é uma nebulosa de energia e partículas sopradas por um pulsar que restaram depois da explosão de uma estrela na Via Láctea.

    Também conhecido como MSH 15-52, o objeto está localizado a cerca de 17.000 anos-luz de distância na constelação de Circinus (Compasso).

    Ao longo de 14 anos, o Observatório de Raios X Chandra da NASA tem observado a Mão de Deus, uma nebulosa distante que se assemelha a uma mão cósmica gigante que atravessa o espaço em direção a uma parede de gás vermelho. NASA partilhou pela primeira vez as imagens que medem sua viagem pelo espaço.

    A estrutura, também conhecida como "mão cósmica batendo em uma parede", apresenta os fragmentos de uma estrela explodida contendo detritos da supernova, a onda de choque da explosão e uma nebulosa emissora de raios X destruída por um pulsar.

    Os vários componentes se uniram e se assemelharam a dedos e uma palma enquanto se expandiam pelo espaço.

    O novo estudo rastreia quão rápido a "mão" está se movendo enquanto impacta a parede de gás circundante (RCW 89) e como ela muda à medida que se expande para o exterior.

    Especificamente, a pesquisa utiliza dados de 2004 e 2008 e uma imagem combinada de observações feitas no final de 2017 e início de 2018, comparando estes três períodos para visualizar o movimento da nebulosa.

    Verificou-se que as partículas que estão perto de uma das pontas dos dedos estão se movendo a quase 14,5 milhões de quilômetros por hora e existem outras secções dos detritos que se movem a 17,7 milhões de quilômetros por hora.

    Mais:

    Astrônomos descobrem enorme 'cometa misterioso' que deve 'visitar' Sistema Solar (VÍDEO)
    'Amanhecer cósmico': astrônomos determinam quando surgiram primeiras estrelas após o Big Bang
    Descoberta de novo tipo de supernova revela mistério milenar
    Tags:
    Universo, telescópio, NASA, nebulosa
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar